quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Reacções da corja abrilina à vitória de Trump!


O 'xuxa' e ex-PR Jorge Sampaio disse hoje que  «a eleição de Donald Trump para Presidente dos EUA traz consigo um lote acrescido de imprevisibilidade e de incertezas, sendo plausível um período mais longo de ajustamentos ou mesmo, digamos, de aprendizagem por ensaio-e-erro no plano da política externa da nova administração, com todos os riscos inerentes».

O também 'xuxa' Carlos César disse que «Estes resultados da eleição presidencial devem ser ainda avaliados com a maior precaução. (...) Por isso, o que se deve acautelar e o que se deve aconselhar à diplomacia europeia, à diplomacia portuguesa e aos governos é o de termos exactamente o cuidado na interpretação daquilo que essa Presidência nova nos Estados Unidos poderá fazer no futuro.»


Bem mais sensato foi o Marcelinho da "direitinha" que, questionado sobre o conteúdo da campanha do candidato republicano, foi contundente: "Não vou comentar o que se passa na política interna de outro país".

Assunção Cristas também optou pela prudência, dizendo: «o que muda teremos oportunidade de ver na acção do novo Presidente. Penso que hoje é o dia de respeitar a decisão que foi tomada pelo povo americano, em liberdade e em democracia, e saudar os resultados. Em democracia, os resultados têm sempre de ser respeitados.»

Já o Pê Chê Pê esteve igual a si próprio, emitindo um comunicado no qual se pode ler: «A eleição de Donald Trump como presidente dos EUA poderá aprofundar ainda mais a política externa reaccionária e agressiva dos EUA levada a cabo por sucessivas administrações norte-americanas e da qual a candidata derrotada foi destacada protagonista».

No mesmo sentido, a Comissão Pulhítica do Bloco de Esterco emitiu um comunicado no qual se pode ler «A vitória de Donald Trump é uma péssima notícia para os Estados Unidos e para o mundo.

É uma vitória da política do ódio - ódio à igualdade de direitos, à imigração e ao primado dos direitos humanos. A eleição de Trump é um perigo global, pela sua declaração de guerra contra o planeta, feita logo na campanha eleitoral. Os EUA, a segunda maior economia do mundo, têm agora um presidente que nega a existência de alterações climáticas e quer cancelar o acordo de Paris.»

Comentário do blogueiro: tenho de confessar, caros leitores, o meu coração canta ao ler estas reacções, sobretudo os últimos dois parágrafos! Haverá alguma coisa mais linda de se ver do que lágrimas esquerdalhistas?... 😂 👏👏👏

24 comentários:

João José Horta Nobre disse...

«Haverá alguma coisa mais linda de se ver do que lágrimas esquerdalhistas?... 😂 👏👏👏»

É absolutamente orgásmico!

Afonso de Portugal disse...

Eheheheh...

Lura do Grilo disse...

Só há democracia quando a esquerda ganha.

Afonso de Portugal disse...

Naturalmente! Quando os outros ganham é fasciiiiiiiiiiiiiiiiismo!

Bilder disse...

Entretanto já se encontram artigos a tentar explicar/entender como e o porquê dos americanos terem escolhido o candidato escarnecido em detrimento da "abençoada" (até o Publico hoje vai por aí vejam bem,demasiado tarde meus caros)vejamos este no CM http://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/francisco-jose-viegas/detalhe/20161110_0052_blog?ref=opiniao_outras

Anónimo disse...

E ainda resta alguma duvida que no meio de toda a trampa a escumalha do BE é a pior??? Tambem no facebook os meus familiares conhecidos e "amigos" que apoiam o BE (e sao todos brancos -.-) foram os que demonstraram mais azia e apelidaram os votantes do trump do pior que pode haver. Já a carneirada da "direitinha" foi mais comedida, apesar de ás vezes conseguirem ser tao ou mais chungosos que os anteriormente referidos. Para alem disso, algum pessoal da direitinha e infelismente do PNR, é um bocado "beato" e lambedor do cu das igrejinhas e dos padrecos e dos colegios internos e das casas pias e esses coisas todas.
Enfim, é o país que temos :(

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

Bilder disse...
«Entretanto já se encontram artigos a tentar explicar/entender como e o porquê dos americanos terem escolhido o candidato escarnecido em detrimento da "abençoada"»

A mim, o que realmente me surpreende é que eles tenham ficado tão surpreendidos! Esse Viegas, contudo, tem uma tirada bastante certeira no parágrafo final:

«Esta eleição democrática (uma derrota da imprensa e dos comentadores) foi uma lição para as ‘elites urbanas’ e a sua arrogância cultural, que não perceberam que Trump dava respostas erradas – mas que muitas das questões estavam certas.»

No fundo, as elites sabem que as perguntas estão certas, mas evitam a todo o custo responder-lhes, para não as legitimar. Só que, para quem sofre na pele as consequências do globalismo, essas perguntas são mais do que legítimas! E qualquer um que as reconheça terá o seu voto, mesmo que as suas respostas sejam ridículas.


Filho da Truta disse...
«E ainda resta alguma duvida que no meio de toda a trampa a escumalha do BE é a pior??? »

Eu sei que a pergunta era retórica, mas eu respondo à mesma: sim, o BE é de longo o pior, porque é marxismo clássico + trotskysmo + marxismo cultural. Uma mistura explosiva que permite aos esterquistas atacar em todas as frentes: económica, social, cultural e até religiosa, como se viu no caso recente do cartaz a promover o casamento panisga.


«Para alem disso, algum pessoal da direitinha e infelismente do PNR, é um bocado "beato" e lambedor do cu das igrejinhas e dos padrecos e dos colegios internos e das casas pias e esses coisas todas.»

Sim, mas a solução não é atacar ferozmente o cristianismo como fazem alguns nacionalistas. A solução é ir denunciando a propensão para a iminvasão por parte do clero. O mundo não é perfeito, temos de aprender a trabalhar com aquilo que temos. Trump percebeu isso e sujeitou-se... duvido muito que ele acredite mesmo que o aborto deva ser ilegalizado, ou que a América é uma nação cristã. Mas soube fingir e foi também por isso que venceu (81% dos evangélicos votaram nele)!

Anónimo disse...

"Sim, mas a solução não é atacar ferozmente o cristianismo como fazem alguns nacionalistas."

Normalmente quem faz isso até são mais os "nazi"onalistas visto que a maioria dos nacionalistas são cristãos, por vezes até devotadamente, e portanto não vão criticar aquilo que são...

Pessoalmente, fui criado no seio de uma família católica, nada tenho contra a figura da cruz (mas gosto mais da cruz céltica) nunca fui grande frequentador de missas igrejas etc mas conheço gente que foi (e ainda é) e conheço também gente que estudou em colégios católicos (tanto em regime interno como externo) e devido a ter "ouvido" algumas histórias sobre coisas que por lá se passavam, fiquei com um certo desdém e repulsa por esse tipo de instituições que orbitam à volta da igreja. Para além disso a Igreja é Universalista e o que mais me preocupa (politica e socialmente) é o "genocídio" dos povos brancos, e portanto da própria Europa.

No entanto, muitas vezes fico desmotivado e desmoralizado quando vejo a gente que eu quero que sobreviva e tenha um futuro de paz, a cuspir na cara de quem tenta defender a "estirpe" e a fazer todo o tipo de propaganda maliciosa anti-branca e a favor da proliferação de "não-brancos" na Europa -.- Conseguem ser ainda mais nojentos que os próprios "não-brancos" e assim fica complicado! Veja-se que os seus congéneres euro-americanos, mal ou bem, votaram no único candidato minimamente "pró-branco" e o agradecimento dos europeus que vivem na Europa é chamar-lhes "ignoraaantes" "raciiiistas!"

Politicamente, os brancos na Europa estão profundamente divididos, vejo 3 divisões fundamentais, e curiosamente todas elas têm pontos em comuns (do género "inimigo do meu inimigo meu inimigo é"):

A esquerda neo- marxista, promotora do genocídio branco, da degeneração e do politicamente correto (excepto se o alvo for "homem branco" e "hetero" aí podes insultar à vontade) que faz de conta que o Islão é "fofinho" e que não quer fuder a Europa, mas que tem a qualidade (para mim) de não lamber o cu do clero.

A "direitinha" politicamente correta, promotora do genocídio branco através da permissão da imigração vinda das paragens mais exóticas "vêm fazer o que os europeus não querem fazer" "os europeus têm poucos filhos e precisamos de mais crianças" e que ideologicamente andam algures numa promiscuidade entre o catolicismo e o capitalismo. Os seus ativistas políticos normalmente são maçons (em Portugal no PS também há muitos) e os seus votantes (em Portugal) são normalmente adoradores de pretos, que têm pelo menos o bom gosto de não adorar degeneração (apesar de eu conhecer alguns em Portugal que até nesse aspecto são quase marxistas!).

Diga-se que a direitinha no centro e Norte da Europa está a encolher, muitos dos seus apoiantes têm-se aproximado da "extrema-direita" enquanto em Portugal e Espanha acontece precisamente o contrário, talvez por problemas de identidade racial.

Por fim os "Nacionalistas" de "extrema-direita" que infelizmente em Portugal, e também provavelmente em vários países da Europa, estão também entre eles muito divididos, mais que os nosso adversários pensam...Há os que só se preocupam com o "islão", os que se preocupam apenas com a "globalização", os que só querem saber do "genocídio branco" os que são profundamente católicos, os que não são etc etc e ainda há os tais "nazi"onalistas que vão para a cama e acordam a pensar nos judeus, eu diria que os mais lunáticos até se preocupam mais com o seu mundinho "anti-judeu" que propriamente com a sobrevivência dos brancos....

(parte 1)

Ass: Filho da Truta

Anónimo disse...

Já agora acrescento: fico preocupado quando alguns ativistas políticos "nacionalistas" falam apenas da "Globalização". Dá ideia que querem estar fechados absolutamente para o resto do mundo, e se for preciso fechados com MILHÕES de pretos e indianos lá dentro, como a Inglaterra agora. Para mim há globalização boa e má, cooperação e até fronteiras abertas entre povos europeus, portanto brancos, parece-me bom e de louvar, antes isso que guerras medievais entre nações, guerras estúpidas que só servem para matar brancos. Cooperação com os chineses e japoneses também me parece bem (mas não escancarar-lhes as portas) e até há espaço para dialogo e alguma cooperação com a moirama e os pretos mas apenas isso, já mais escancarar-lhes as portas e lamber-lhes os pés! Isso é a desgraça.

Enfim, caro Blogueiro, desculpe-me o longo desabafo, aproveito para lhe agradecer as horas que dispensa na luta cibernética, em Portugal há poucos bloggers "Nacionalistas" mas são bons :)

Ass: Filho da Truta

(parte 2)

Afonso de Portugal disse...

Filho da Truta disse...
«Para além disso a Igreja é Universalista e o que mais me preocupa (politica e
socialmente) é o "genocídio" dos povos brancos, e portanto da própria Europa.
»

Quanto a isso, eu não tenho quaisquer dúvidas! E só lamento que os cristãos não vejam isso. Já tive muitas discussões com familiares (eu também fui educado no seio de uma família católica) por causa da doutrina universalista da Igreja.

Mas com o passar dos anos, aprendi que a melhor forma de lidar com o problema é evitar centrar as disputas sobre a doutrina cristã e apontar antes as declarações dos líderes religiosos. Ou, como se costuma dizer, contra factos não há argumentos.


«No entanto, muitas vezes fico desmotivado e desmoralizado quando vejo a gente que eu quero que sobreviva e tenha um futuro de paz, a cuspir na cara de quem tenta defender a "estirpe"»

Quanto a isso, apenas posso partilhar uma técnica que funcionou comigo: ao longo de toda a história da humanidade, sempre houve traidores. Efialtes traiu Esparta para os Persas. Audas, Talco e Minuro traíram Viriato para os romanos. O general romano Flávio Aécio conseguiu travar os hunos apenas para ser mandado matar pelo imperador Valentiniano III. Se Cristo existiu, Judas traiu-o. Miguel de Vasconcelos e o Mestre de Alcântara traíram Portugal, etc.

Ou seja, os traidores fazem parte da nossa realidade. Não há como escapar-lhes. Em aceitando esta inevitabilidade, facilmente concluiremos que temos de lutar tanto contra eles, como contra os alógenos invasores.


«Politicamente, os brancos na Europa estão profundamente divididos, vejo 3 divisões fundamentais»

Concordo a 100% na tua análise da esquerda e da "direitinha". Só não tenho é a certeza de que a nossa falta de verdadeira Direita se prenda apenas com os problemas de identidade racial. Há uma visão histórica impregnada no imaginário das elites portuguesas e espanholas segundo a qual Portugal e Espanha só serão grandes se forem ultramarinos. Pior do que isso, essa visão existe inclusivamente entre nacionalistas, é o chamado minho-timorismo (Portugal do Minho até Timor).

João José Horta Nobre disse...

«ainda há os tais "nazi"onalistas que vão para a cama e acordam a pensar nos judeus, eu diria que os mais lunáticos até se preocupam mais com o seu mundinho "anti-judeu" que propriamente com a sobrevivência dos brancos....»

Caro filho da truta, eu não sou "nazi"onalista e no entanto, não vejo qual é o mal de se denunciar o papel de direcção que os supremacistas judeus têm na Superclasse Mundialista. Até o Fernando Pessoa reconhecia este facto muito simples:

http://sofos.wikidot.com/grupo-dos-trezentos

Afonso de Portugal disse...

«Há os que só se preocupam com o "islão", os que se preocupam apenas com a "globalização", os que só querem saber do "genocídio branco" os que são profundamente católicos, os que não são etc etc e ainda há os tais "nazi"onalistas que vão para a cama e acordam a pensar nos judeus, eu diria que os mais lunáticos até se preocupam mais com o seu mundinho "anti-judeu" que propriamente com a sobrevivência dos brancos....»

Sim, sim! O mais preocupante é que há uma obstinação com a forma, não com o resultado. Isto é, a maioria dos nacionalistas não tem um objectivo concreto e final em mente. A primeira pergunta que um nacionalista deveria fazer a si próprio é: «O que é que eu quero atingir?».

Eu já respondi a essa pergunta há uns anos atrás: eu quero que o Nacionalismo chegue aos centros de poder político e judicial do Ocidente. Mas para minha estupefacção, descobri ao longo dos anos que a maioria dos nacionalistas na internet nem isto consegue dizer!

E isto é só o princípio! A partir daqui, é preciso perceber como chegar ao poder. E é aqui que a tudo descamba espectacularmente! Uns dizem, de peito cheio: “revolução, carago!” E quando se lhes pergunta: «Revolução com que soldados? Com que armas? Com que vontade?», obtém-se as respostas mais cretinas que é possível imaginar:

«Ai, as forças armadas depressa se juntariam a nós!» (Treta sem qualquer fundamento)

«Se abrirmos os olhos ao povo, os democratas terão os dias contados!» (Wishful thinking)

«Para já não podemos fazer nada, primeiro é preciso deixar tudo cair, só depois é que nos poderemos organizar!» (Autismo e alienação totais!)

Eu só vejo um caminho: a Democracia. Infelizmente, esta palavra causa comichão a uma parte significativa dos nacionalistas. Habituaram-se a ler os livros da suprema verdade facha, que dizem que a Democracia é obra dos judeus. Na maior parte dos casos, não há hipótese de acreditarem em mais nada, mesmo depois do Brexit e do Presidente Trump.

Aquilo que eu sei é que só quem anda na rua entende o que é a realidade. Só quando se fala com dezenas de milhares de pessoas é que se começa a perceber a enorme distância que vai dos delírios dos nacionalistas do ciberespaço àquilo que a maioria do eleitorado pensa realmente. É por isso que eu, em Portugal, já só levo a sério as pessoas do PNR. Podem não ser as mais inteligentes, mas são as únicas que sabem o que querem. E é saber o que se quer que separa os adultos dos adolescentes.


«Enfim, caro Blogueiro, desculpe-me o longo desabafo, aproveito para lhe agradecer as horas que dispensa na luta cibernética, em Portugal há poucos bloggers "Nacionalistas" mas são bons :)»

Estás a vontade, as caixas de comentários são para isso mesmo! E eu é que agradeço, o TU existe para ser lido! O mais importante, neste momento, é todos espalharmos a mensagem!

Saudações Nacionalistas!

Anónimo disse...

"Quanto a isso, apenas posso partilhar uma técnica que funcionou comigo: ao longo de toda a história da humanidade, sempre houve traidores. Efialtes traiu Esparta para os Persas. Audas, Talco e Minuro traíram Viriato para os romanos. O general romano Flávio Aécio conseguiu travar os hunos apenas para ser mandado matar pelo imperador Valentiniano III. Se Cristo existiu, Judas traiu-o. Miguel de Vasconcelos e o Mestre de Alcântara traíram Portugal, etc"

Exactamente. O pior é que me dá a sensação que a esmagadora maioria da população está a fazer a figura de Audas, Talco e Minuro, e os nacionalistas é que são os maus da história, as bestas "racistas".

Será que a ignorância do povo é tão grande que nem são capazes de compreender o simples facto de que os brancos são uma minoria (e pequena) da população mundial enquanto que as restantes "minorias" todas juntas constituem 90% ou mais da população mundial?

Basta irem consultar os dados de crescimento populacional que estão gratuitamente disponíveis na Internet e reparar por exemplo no facto de que na Nigéria existem 30 milhões de crianças com idades entre os 0-4 anos de idade!!! que é um numero superior ao numero de crianças com essa idade em toda a Europa!! mais pode o povinho constatar que a esta taxa de crescimento natural em 2100 África teria (ou terá) 4,4 biliões de habitantes!

E mesmo assim o povinho autóctone acredita na velha história de eles serem uma pobre "minoria" que tem que continuar a ser recebida na Europa e a ter privilégios especiais??? Se o povo branco cai nesta é porque é mesmo imbecil! E não me venham dizer que a culpa é da comunicação social pois eu não precisei dela para abrir os olhos e perceber que os brancos estão a caminho de ir fazer companhia aos dinossauros se o panorama não se alterar urgentemente! A minha geração então (20-30 anos de idade) não tem qualquer desculpa para não estar ciente disto.

Eu votei PNR nas ultimas eleições porque quero que as ondas migratórias vindas de sul e do médio e extremo-oriente sejam revertidas e que muita dessa gente seja deportada e os privilégios concedidos ao verdadeiro povo, no entanto faço-o com uma "espinha na garganta" pois há várias ideias do PNR das quais eu não gosto, nomeadamente a saída da UE e algumas propostas um bocado "retrogradas", apesar de eu concordar com o PNR no que toca à adopção e ao casamento "gay".

"Só não tenho é a certeza de que a nossa falta de verdadeira Direita se prenda apenas com os problemas de identidade racial. Há uma visão histórica impregnada no imaginário das elites portuguesas e espanholas segundo a qual Portugal e Espanha só serão grandes se forem ultramarinos."

Isso é como um homem não puder ir à praia e então vai daí manda-se uma pá carregadora encher o pequeno T2 de areia até toda a família ficar asfixiada.

"eu quero que o Nacionalismo chegue aos centros de poder político e judicial do Ocidente."

Nem mais! É mesmo isso que tem que acontecer. Até porque sem isso, e ainda por cima com os esquerdalhos no poder, somos perseguidos e a liberdade do povo abafada pela ditadura do "politicamente correto".

(Parte 1)

Ass: Filho da Truta

Anónimo disse...

(Parte 2)

" E isto é só o princípio! A partir daqui, é preciso perceber como chegar ao poder. E é aqui que a tudo descamba espectacularmente! Uns dizem, de peito cheio: “revolução, carago!” E quando se lhes pergunta: «Revolução com que soldados? Com que armas? Com que vontade?», obtém-se as respostas mais cretinas que é possível imaginar:

«Ai, as forças armadas depressa se juntariam a nós!» (Treta sem qualquer fundamento)"

Pois e há uma coisa que me preocupa nisto e até já o referi na blogosfera no defunto "blogdofirehead" (foi lá que me apercebi da existência deste blog e agora passei a comentar aqui) que é o facto das forças armadas portuguesas terem cada vez mais negros. Tenho até a ideia, por já os ter visto em comboios e pelo relato de um amigo meu que está no exercito e que passou pelos "comandos", que por exemplo nas nossas forças especiais, nomeadamente "comandos" e "para quedistas" existe um numero considerável de militares negros, quiçá uns 20/30%.
Não coloco em causa se são bons ou maus rapazes mas o que coloco em causa é o seguinte: se no futuro houver "guerra racial" ou simplesmente um partido anti-imigração pró-brancos chegar ao poder é óbvio que os nosso militares negros não se vão colocar ao lado dos "pó-brancos" mas sim dos "pró-negros". Devia existir um género de cota racial no exercito que garantisse que os portugueses brancos são sempre a esmagadora maioria, mas como a nossa constituição não é "racialista" nem tem o discurso oficial "Portugal em primeiro lugar é um país "branco", ibérico e europeu" tal coisa não existe nem no exercito, nem na policia, nem nos tribunais. E como o crescimento demográfico dos negros em Portugal é bem superior ao dos brancos a tendência natural é eles tornarem-se maioria em todos os sectores da sociedade.

Ass: Filho da Truta

Anónimo disse...

Caro João José Horta Nobre

Estou ciente de que há dedo judeu em muitas coisas pouco recomendáveis, também já li muito sobre judeus e o judaísmo, mas recuso-me a entrar numa retórica de perseguir os judeus. Tendo em conta o facto de eles serem apenas 13 milhões no mundo inteiro (ou coisa do género) e de não estarem neste momento da história a imigrar massivamente para a Europa e a misturar-se com os Europeus, e quando até têm um "Estado Judeu", parece me até uma covardia atacar judeus, e para alem disso é inconsequente e cola-nos ao "nazismo". Para mim quem tem que ser "atacado" e denunciado são os brancos degenerados "anti-brancos", e quem tem também tem que ser expulso e barrado são as hordas de negros, árabes, paquistaneses etc e têm que ser denunciados quando atacam brancos nas ruas.

E por falar nisso, aqui fica esta:

https://www.youtube.com/watch?v=WnQNFBHHs6w

E já agora, não é uma mensagem exactamente para si, mas acrescento também isto que li num forum totalmente insuspeito à cerca da questão judaica:

"Dos usuários do VNN, vão ter dois grupos: os bem intencionados e os perdedores que se apegam a sua pseudo pureza racial para sobreviver. Os bem intencionados vão reconhecer que eu tinha razão, me dar os parabéns e passar a se dedicar a ganhar poder e dinheiro para fazer algo em prol da raça branca. Os perdedores não vão aceitar o seu lugar no mundo e menos ainda a realidade. Vão postar uma foto do Trump apertando a mão do Netanyahu como prova cabal de que ele é um escravo sionista"

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

Filho da Truta disse...
«Será que a ignorância do povo é tão grande que nem são capazes de compreender o simples facto de que os brancos são uma minoria (e pequena) da população mundial enquanto que as restantes "minorias" todas juntas constituem 90% ou mais da população mundial?»

Essa pergunta é retórica, não é?... :)


«E mesmo assim o povinho autóctone acredita na velha história de eles serem uma pobre "minoria" que tem que continuar a ser recebida na Europa e a ter privilégios especiais??? Se o povo branco cai nesta é porque é mesmo imbecil!»

Aqui julgo que a questão é um pouco mais complicada do que isso. A maioria das pessoas até concorda connosco, mas tem medo de manifestar determinadas opiniões. E não é só em público, é mesmo entre os seus amigos e familiares. As pessoas tens medo das represálias que podem vir a sofrer.


«Eu votei PNR nas ultimas eleições porque quero que as ondas migratórias vindas de sul e do médio e extremo-oriente sejam revertidas e que muita dessa gente seja deportada e os privilégios concedidos ao verdadeiro povo, no entanto faço-o com uma "espinha na garganta" pois há várias ideias do PNR das quais eu não gosto, nomeadamente a saída da UE e algumas propostas um bocado "retrogradas", apesar de eu concordar com o PNR no que toca à adopção e ao casamento "gay".»

A questão é mesmo essa, jamais teremos um partido nacionalista absolutamente perfeito, que possa agradar a todos em tudo e mais alguma coisa. É por isso que devemos estabelecer o que é prioritário e votar em função disso. Nesse sentido, dou-te os parabéns por saberes separar as águas, porque há muitos nacionalistas que não votam no PNR por motivos verdadeiramente infantis: ora porque o presidente é cristão, ora porque fulano tal é pagão, ora porque o Prof. Humberto é minho-timorista, ora porque o JPC era amigo do skinhead Mário Machado, enfim, é um não parar
de parvoíce disfarçada de argumento.


«nas nossas forças especiais, nomeadamente "comandos" e "para quedistas" existe um numero considerável de militares negros, quiçá uns 20/30%.»

Sendo que a tendência é para se agravar! A carreira militar é muito pouco aliciante. A profissão é dura, mas geralmente mal paga. E a partir dos 35 anos, a maioria do pessoal é encostada a um canto. Resumindo e concluindo: com a excepção dos colégios militares e das escolas de oficiais, só mesmo a malta muito pouco instruída é que se mete nisso. As forças armadas estão como os empregos na agricultura, os nativos não se querem sujeitar e os patrões optam por importar desgraçados que se sujeitem!


«se no futuro houver "guerra racial" ou simplesmente um partido anti-imigração pró-brancos chegar ao poder é óbvio que os nosso militares negros não se vão colocar ao lado dos "pó-brancos" mas sim dos "pró-negros".»

Evidentemente. A revolução, a fazer-se, já devia ter sido.


«Devia existir um género de cota racial no exercito que garantisse que os portugueses brancos são sempre a esmagadora maioria»

Lá está, mas para isso teríamos que chegar ao poder! A actual corja abrilina que nos (des)governa jamais aprovará uma medida desse género!

Afonso de Portugal disse...

Confesso que não percebi o seu último comentário, caro FdT. Quero dizer, não percebi a menção ao JJHN... Foi um comentário que o FdT deixou no blogue do Mestre Nobre?

Seja como for, fico satisfeito por constatar que o FdT é dos (infelizmente) poucos nacionalistas que percebe a necessidade de definir prioridades para o nosso combate. Os judeus são santos? Claro que não! Mas centrar o discurso nacionalista na perseguição ao judeus e ao "cancro sionista" tem-se revelado uma estratégia perdedora desde a 2ª Grande Guerra!

Até a vitória de Trump no mostra isso... Trump venceu com um discurso considerado radical... mas o David Duke, com a sua cassete anti-sionista primária, voltou a perder! E vai continuar a perder, porque os povos do ocidente foram condicionados a rejeitar o nazionalismo bronco e arruaceiro!


«Vão postar uma foto do Trump apertando a mão do Netanyahu como prova cabal de que ele é um escravo sionista"»

Conheço pelo menos quatro blogues que já o fizeram! É outra coisa que não se entende nos cretinos nazionaliztaz: acreditam que os judeus controlam tudo e mais alguma coisa, mas depois ficam muito surpreendidos por verem um candidato a presidente da nação mais poderosa do mundo a fingir dar-se bem com os judeus! Alguma vez o Trump seria eleito se não fizesse isto?! É claro que não! Então o que é que o nazionaliztaz queriam? Que o homem perdesse!?!?!

Anónimo disse...

"Confesso que não percebi o seu último comentário, caro FdT. Quero dizer, não percebi a menção ao JJHN... Foi um comentário que o FdT deixou no blogue do Mestre Nobre?"

Não, foi em resposta a um comentário que JJHN fez neste mesmo post dirigido a mim:

"Caro filho da truta, eu não sou "nazi"onalista e no entanto, não vejo qual é o mal de se denunciar o papel de direcção que os supremacistas judeus têm na Superclasse Mundialista. Até o Fernando Pessoa reconhecia este facto muito simples:

http://sofos.wikidot.com/grupo-dos-trezentos

10 de novembro de 2016 às 19:19"

"Alguma vez o Trump seria eleito se não fizesse isto?! É claro que não! Então o que é que o nazionaliztaz queriam? Que o homem perdesse!?!?!"

É...Mas também não vale a pena gastar tempo a tentar compreender certas mentes...e se já os nacionalistas "normais" são um minoria abafada os "nazio"nalistas então são um grão de areia numa praia...e os que se expõe muito acabam por invariavelmente ir parar à cadeia. Até para garantir a nosso própria sanidade mental é melhor não tentar entende-los :)

Ass: Filho da Truta

João José Horta Nobre disse...

«Tendo em conta o facto de eles serem apenas 13 milhões no mundo inteiro (ou coisa do género) e de não estarem neste momento da história a imigrar massivamente para a Europa e a misturar-se com os Europeus, e quando até têm um "Estado Judeu", parece me até uma covardia atacar judeus, e para alem disso é inconsequente e cola-nos ao "nazismo".»

Não há um único artigo do meu blog onde eu ataque os judeus. Nem um! O que eu ataco e critico são as elites judaicas e o Judaísmo que têm um claro papel de liderança na Nova Ordem Mundial e na própria Superclasse Mundialista. Uma coisa são os judeus comuns, outra bem diferente são os supremacistas judeus.

Esta elite maquiavélica que sequestrou o Mundo e está a tentar desconstruir as nações a todo o custo, só pode ser liderada por judeus, pois é necessário que exista um elevado grau de tribalismo para se poder explicar tamanha colaboração entre esta gente. Infelizmente, há é aqueles que se recusam a reconhecer este simples facto e depois inventam tretas como os "Iluminatti" ou os "Reptilianos", entre outras parvoíces sem fundamento. Vale tudo, menos falar de judeus para essa gente.

«Para mim quem tem que ser "atacado" e denunciado são os brancos degenerados "anti-brancos", e quem tem também tem que ser expulso e barrado são as hordas de negros, árabes, paquistaneses etc e têm que ser denunciados quando atacam brancos nas ruas.»

O filho da Truta só não se esqueça para começar de que quem abriu as fronteiras a essas tais "hordas" terceiro-mundistas de que fala, foram os próprios supremacistas judeus. Israel reinará sobre todas as nações e para reinas, há que as destruir primeiro...

Aconselho seriamente esta leitura ao filho da Truta, pois foi um livro que alterou radicalmente a minha postura sobre esta questão:

http://ia902609.us.archive.org/12/items/JewishSupremacismByDavidDuke/jewish-supremacism-david-duke.pdf

A verdade acabará por chegar a todos, eu também durante muito tempo não conseguia compreender esta conspiração judaico-satânica para dominar o Mundo, mas depois de começar a entender a mesma, comecei a ver as coisas de forma muito mais clara.

Afonso de Portugal disse...

A propósito, não sei se o Mestre Nobre reparou, mas o palhaço do costume deixou montes de links nas caixas de comentário do seu blogue. Aproveito para lhe agradecer ter-se livrado do troll nazi e também para lhe pedir desculpas por me ter excedido.

Infelizmente, eu e o JJHN somos um bocado parecidos... quando nos salta a tampa, disparamos para todos os lados! Eheheh...

Afonso de Portugal disse...

Filho da Truta
« Até para garantir a nosso própria sanidade mental é melhor não tentar entende-los :)»

Cada vez me convenço mais disso! Um abraço!

Anónimo disse...

"Não há um único artigo do meu blog onde eu ataque os judeus. Nem um! O que eu ataco e critico são as elites judaicas e o Judaísmo que têm um claro papel de liderança na Nova Ordem Mundial e na própria Superclasse Mundialista. Uma coisa são os judeus comuns, outra bem diferente são os supremacistas judeus. "

Mas a questão é mesmo essa, se atacar-mos qualquer tipo de "superclasse" mas fizermos questão de a identificar como "judaica" isso vai ser visto como um ataque a todos os judeus , vai haver dificuldade em separar "o joio" do "trigo" até pelo facto de eles serem poucos (globalmente). Portanto o que eu quero dizer, é que quando nós, os apoiantes europeus do "nacionalismo" nomeadamente os que têm grande preocupação sobre a questão demográfica como eu, vão para a rua ou para as redes sociais, que são os veículos onde se encontram as massas, falar e denunciar "a superclasse judia" isso não vai ajudar nada, vai nos colar ás teorias da conspiração inconsequentes e ao próprio "nazismo" e isso não ajuda nada, antes pelo contrário, tira o foco do que é mesmo importante e urgente. Mesmo que a tal "superclasse" tenha tanta influencia, prefiro ataca-la de forma cínica, desarmando-a junto do povo sem que me refira necessariamente a ela. Prefiro antes desmontar a retórica "anti-branca" e "anti-fronteiras" seja de quem for, e denunciar os crimes executados pelas supostas "minorias" que não são minorias nenhumas. Mas se o JJHN prefere focar-se na tal "superclasse" etc está no seu direito.

"O filho da Truta só não se esqueça para começar de que quem abriu as fronteiras a essas tais "hordas" terceiro-mundistas de que fala, foram os próprios supremacistas judeus."

Eventualmente eles contribuíram para tal ao longo de todo o sec.XX e mesmo agora mas eu conheço "milhentas" pessoas de "esquerda" e de "direitinha" que nada têm haver diretamente com a tal superclasse, e no entanto, o credo "universalista" de junção dos povos todos na Europa e das "fronteiras abertas" "refugees welcome" etc está-lhes no sangue. Muitas delas se for preciso ao mesmo tempo criticam "os banqueiros" os "privilégios da alta classe" etc e mesmo assim são a favor do próprio "genocídio" racial e da destruição de suas Nações.

"Aconselho seriamente esta leitura ao filho da Truta, pois foi um livro que alterou radicalmente a minha postura sobre esta questão:

http://ia902609.us.archive.org/12/items/JewishSupremacismByDavidDuke/jewish-supremacism-david-duke.pdf"

Como referi anteriormente, já li vários artigos e até um livro da "turma" do David Duke sobre este tema (não foi este livro) mas agradeço a sugestão :)

Ass: Filho da Truta

João José Horta Nobre disse...

«A propósito, não sei se o Mestre Nobre reparou, mas o palhaço do costume deixou montes de links nas caixas de comentário do seu blogue.»

Lol, o palhacito de Macau lá veio deixar uns cagalhões virtuais no meu blog. Foi já tudo eliminado, assim como serão eliminadas tentativas posteriores de poluição do meu espaço.

Conheci um maluquinho nos meus tempos de estudante em Coimbra, que gostava de cagar nas cabines telefónicas. O gajo mal via uma cabine telefónica, ía logo cagar ou mijar lá dentro. Há pessoas assim, umas cagam em cabines, outras cagam em caixas de comentários de blogues alheios. Coitadinhos, a loucura não lhes dá para mais...

Afonso de Portugal disse...

>Filho da Truta disse....
«Mesmo que a tal "superclasse" tenha tanta influencia, prefiro ataca-la de forma cínica, desarmando-a junto do povo sem que me refira necessariamente a ela. Prefiro antes desmontar a retórica "anti-branca" e "anti-fronteiras" seja de quem for, e denunciar os crimes executados pelas supostas "minorias" que não são minorias nenhumas. Mas se o JJHN prefere focar-se na tal "superclasse" etc está no seu direito.»

Isto! 100% isto!!!1 É exactamente assim que eu vejo a coisa! É perciso colocar o dedo na ferida, i.e. no sítio onde dói mais aos europeus nativos. O eleitorado europeu não percebe a linguagem do "cancro sionista" (pior do que isso, foi condicionado no sentido de ter repulsa por essa linguagem), mas percebe perfeitamente a linguagem do "estás a perder direitos na tua própria terra, estás a transformar-te numa minoria na tua própra terra". E é assim que temos de falar às pessoas!


«Muitas delas se for preciso ao mesmo tempo criticam "os banqueiros" os "privilégios da alta classe" etc e mesmo assim são a favor do próprio "genocídio" racial e da destruição de suas Nações.»

Exactamente! Porque a apologia da imigração, mais do que uma questão ideológica, transformou-se numa questãoo cultural. Não se é boa pessoa se não se gostar dos imigrantes e se não se quiser mais e mais imigração! É por isso que, a meu ver, o Nacionalismo contemporâneo tem de centrar os seus esforços em descontruir esta narrativa do imigrante = bom, imigrante = vítima, imigrante = mais valia. Essa deve ser a nossa grande prioridade, na minha modesta opinião. Apontar as falácias da imigração. É isso que têm feito os partidos nacionalistas de maior sucesso, a FN, o PVV, os SD, etc. O resto (judeus, superclasse, políticos corruptos, lóbis financeiros, etc.) acabará por vir por associação.


João José Horta Nobre disse...
«Há pessoas assim, umas cagam em cabines, outras cagam em caixas de comentários de blogues alheios. Coitadinhos, a loucura não lhes dá para mais...»

LOL! E eu a pensar que os cromos que roubavam sinais de trânsito eram o auge da estupidez estudantil! Parece que Coimbra continua a ser o grande referencial para o melhor e para o pior do mundo académico! Quanto ao palhacito... ele que continue a divertir-se. Como diz o povo, "ri melhor quem ri por último"! ;)