domingo, 2 de outubro de 2016

Maravilhas do Islão (XXI): Deputado egípcio defende testes de virgindade nas universidades


«O deputado egípcio Ilhamy Agina tornou-se alvo de crítica e caiu no ridículo entre a sociedade daquele país por dizer, numa entrevista, que as universidades deveriam fazer testes de virgindade às mulheres que quisessem ser admitidas.

Agina, um deputado polémico (...), disse ao jornal Youm 7 que a virgindade das mulheres deveria ser um pré-requisito à entrada no ensino superior.»

Virgens egípcias manifestam-se a favor do Sr. Agina.

«Segundo o deputado, esta medida ajudaria a acabar com os casamentos costumeiros não registados (ao abrigo dos costumes e das tradições e não da lei), muito comuns entre os jovens egípcios que não têm dinheiro suficiente para um casamento formal. “Qualquer rapariga que entre na Universidade deve ser examinada para provar que é donzela”, disse Agina ao Youm 7.

(...) Agina disse que foi questionado sobre o papel que o governo deveria ter para acabar com os casamentos costumeiros, e que por isso propôs os testes de virgindade. “Eu disse ‘bem, o governo não tem o direito de perguntar a uma rapariga ou a um homem se teve um casamento costumeiro. (…) Mas se calhar, se calhar… apenas como uma sugestão que poderia ou não ser aplicada: o governo poderia dizer aos hospitais universitários para fazerem testes de droga e de virgindade'”, explicou o deputado, acrescentado que depois as universidades poderiam informar os pais dos alunos.

Não é a primeira vez que Agina faz declarações polémicas. O deputado já defendeu a mutilação genital feminina, uma prática ilegal, mas ainda largamente praticada no Egipto. “Somos um povo cujos homens têm disfunção eréctil… se parássemos de fazer a circuncisão (sic) feminina, então precisaríamos de homens mais fortes”, disse no início do mês.»

____________
Ver também:

Maravilhas do Islão (XX): mais uma bimba europeia presa por ter sido violada!
Maravilhas do Islão (XVIII): jovem dinamarquesa "enriquece" a sua própria mãe!
Maravilhas do Islão (XV): mulher mata recém-nascida para não "desonrar" a sua família
Maravilhas do Islão (XIII): marroquina queima viva a sua esposa
Maravilhas do Islão (X): Irão executa mulher que matou o seu violador
Maravilhas do Islão (VIII): poligamia vibrante na Alemanha

2 comentários:

FireHead disse...

Como tal, temos que respeitar isto. O islão é a "religião da paz". Ai daquele que se atrever agora a falar mal desse tipo - é um islamofóbico sem sombra de dúvidas!

Afonso de Portugal disse...

"Iá, meu"!!! Quem se atrever a falar mal da religião de um nómada sanguinário que violava meninas e decapativa pessoas pessoalmente e que é hoje responsável pela esmagadora maioria dos atentados terroristas no Ocidente, só pode ser qualificado através de uma palavra cujo countéudo é uma contradição em termos e não tem equivalente nas outras religiões! :P Ehehe...