quinta-feira, 6 de outubro de 2016

A traição aos Portugueses em números concretos (92)


    Chegou a altura de retomar a rubrica de maior longevidade aqui no TU, "A traição aos portugueses em números concretos (ATAPENC)", a série que eu nunca quis fazer mas que a realidade "tuga" impõe que se faça. E que melhor forma de retomar uma série senão batendo novamente na mesma tecla? Sim, sim, a nossa dívida pública voltou a subir! Que "surpresa", pá!


«Após seis meses sempre a subir, a dívida pública está agora em 243,3 mil milhões de euros. Contudo, tendo em conta os depósitos, o valor até desceu em Agosto. A dívida pública situou-se em 243,3 mil milhões de euros (243,3 G€) no mês de Agosto, um aumento de 2,5 mil milhões de euros face ao mês anterior, anunciou o Banco de Portugal.

O valor registado em Agosto corresponde a um novo máximo e traduz um aumento de 11,7 mil milhões de euros face ao final do ano passado, quando a dívida pública se situava em 231,5 mil milhões de euros. Apesar deste agravamento, que se verificam pelo sexto mês consecutivo, a dívida pública líquida de depósitos da administração central registou uma diminuição de 700 milhões de euros face ao mês anterior, totalizando 223,6 mil milhões de euros.

Na nota onde avança com os dados de Agosto da dívida pública, o Banco de Portugal salienta que o aumento registado em Agosto reflecte emissões líquidas positivas de títulos, num total de 2,6 mil milhões de euros. O IGCP avançou em Agosto com emissão de bilhetes do Tesouro num total de 1,6 mil milhões de euros e realizou a segunda emissão de obrigações do Tesouro de rendimento variável (OTRV) um total de 1,2 mil milhões de euros.

Devido a estas emissões, o valor em depósitos do Tesouro aumentou em 3,2 mil milhões de euros, um valor superior ao aumento da dívida total, pelo que em termos líquidos o endividamento do Estado desceu em Agosto. Apesar do alívio na dívida pública líquida de depósitos em Agosto (após dois meses de aumentos), o valor registado no oitavo mês deste ano (223,6 mil milhões de euros) está mais de 5 mil milhões de euros acima do verificado no final de 2015 (situava-se em 218,3 mil milhões de euros em Dezembro).

Em Junho deste ano a dívida pública total situava-se em 239,8 mil milhões de euros, o que corresponde a 131,7% do PIB. Só quando for conhecido o valor de Setembro será possível perceber se também o peso da dívida pública na economia atingiu um recorde no terceiro trimestre.»   

 
Comentário do blogueiro: continuem pois a votar PS/PSD/CDS/CDU/BE, caros leitores. A ver se conseguimos fazer chegar aquela linha azul aos 300 G€ para acabarmos com este país de uma vez por todas, pá! Como assim, "não querem"? Não desistam agora! Estamos tão perto da bancarrota, pá!!!

____________
Ver também:

ATAPENC (91): Olha que "surpresa", a dívida pública portuguesa voltou a aumentar! (e vão 233,0 G€)
ATAPENC (87): Olha que "surpresa", a dívida pública portuguesa voltou a aumentar! (e vão 231,3 G€)

2 comentários:

pvnam disse...

Já foi a venda Empresas Públicas Estratégicas (electricidade, gasolina, etc)...
.
Segue-se o massacre da classe média com impostos {a classe média deve, de preferência, vender o seu património ao desbarato a grupos multinacionais com sede em paraísos fiscais}.

Afonso de Portugal disse...

O teu prognóstico parece-me acertado. Houve muitas pessoas que ficaram contentes pelo facto de "os ricos irem pagar mais impostos", mas essas pessoas esquecem-se que estas coisas de taxar o património são sempre progressivas. Primeiro começa-se com 500 mil euros, depois desce-se para os 400 mil e por aí adiante...

E atenção que aquela história de espiar as contas acima dos 50 mil euros caiu por agora, mas desconfio que vai voltar bem mais cedo do que as pessoas julgam... o objectivo é, como bem observaste, eliminar gradualmente a classe média!