quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Os "refugiados" e a classe política traidora


   E na sequência da posta anterior, aqui fica a mais recente intervenção de Rogério Santos, Vogal do único partido nacionalista em Portugal, o Partido Nacional Renovador (PNR):

«Caros amigos,

A questão dos “refugiados” tem suscitado, na nossa classe política, doses substanciais de hipocrisia e de uma falta de respeito para com os portugueses. Falam dos valores europeus, falam da solidariedade, ao mesmo tempo que atiram os portugueses para o desemprego, para a pobreza, para a fome e miséria.

Não passam de uns hipócritas; dão tudo a quem vem de fora, casa, emprego, formação profissional, rendimento mínimo garantido, abono de família, acesso à educação e à saúde! E quem é que paga todas estas mordomias!?

E os portugueses que perderam os seus empregos!? E os que passam graves dificuldades!? E os mais desprotegidos!? Mas será que em Portugal não temos pessoas a passar dificuldades!?

São estes políticos traidores, que acolhem sem hesitar milhares de “refugiados”, dando-lhes direito a tudo. Deixando o nosso povo na mais profunda miséria.

Lembro que o PNR, à semelhança de outros partidos nacionalistas europeus, nada tem contra imigrantes integrados, que nos respeitam e contribuem para o bem comum, mas sempre se opôs às políticas suicidas desta imigração invasora.

Em nome da tolerância e dos bons costumes, uma escola da Baviera aconselhou as suas alunas a vestirem-se de uma forma “modesta”, para não ofenderem os pobres coitados. Em Portugal, também já começámos a dar os primeiros-passos na estupidificação e overdose colectiva: o manual de “Acolhimento de Refugiados, Alimentação e Necessidades Nutricionais…” é um bom exemplo disso e não passa de mais um dos devaneios da nossa classe política, havendo inclusive, conselhos sobre os cuidados a ter na roupa usada na hora de os atender. Um absurdo!

O próprio título, já em si, é escandaloso: “Alimentação e necessidades nutricionais…”. Ora, a DGS já possui vários manuais de nutrição, não se entende o porquê de mais um! Será que os refugiados são uma espécie de extra-terrestres com necessidades nutricionais bem diferentes das nossas!?

Porém, não pensem que só a Esquerda abraçou a causa muçulmana. Exemplo disso é todo o delírio mental dos vários quadrantes políticos: Paulo Portas chegou a falar dos imigrantes muçulmanos como jovens reprodutores numa sociedade com poucos filhos; Passos Coelho acha que os “refugiados” podem ajudar a combater o envelhecimento da população no interior; já António Costa, o timoneiro da geringonça, acha que eles nos poderiam dar uma “mãozinha” a tomar conta das florestas… E quando era Presidente da Câmara de Lisboa disponibilizou-se para financiar, em mais de 3 milhões de euros, a nova mesquita no Martim Moniz. É caso para dizer, “afinal há dinheiro…”, mas não para os portugueses.

Esta é a mentalidade da nossa classe política governante. Nós, nacionalistas, não nos vamos calar! Lutamos com coragem, determinação e uma entrega total.

Portugal, mais uma vez, renascerá!

Viva o PNR e viva Portugal!»

Sem comentários: