segunda-feira, 27 de junho de 2016

Paul Joseph Watson e Stefan Molyneux falam acerca do pós-Brexit


   Duas lendas-vivas da direita alternativa anglófona, o britânico Paul Joseph Watson (PJW) e o canadiano Stefan Molyneux (SM) gravaram este vídeo no dia que se seguiu ao Brexit.



Alguma partes "giras" do vídeo:
  • 4m22s PJW: «Hoje, em Londres, temos milhares de esquerdistas e de anarquistas a protestar a favor do status quo, a favor dos banqueiros, a favor das grandes corporações. Eles estão nas ruas a protestar o voto democrático das pessoas britânicas. Só mesmo autênticos fascistas protestariam assim contra uma votação democrática! Estas pessoas são escumalha absoluta, estão a agredir as pessoas que envergam roupas com a bandeira do Reino Unido e não conseguem aceitar o facto de que perderam!»
  • 6m29s SF: «Para mim, uma das lições mais difíceis das últimas décadas e sobretudo dos últimos anos é o reconhecimento fundamental de que nós vivemos num mundo de tribos, de nações. E este evento histórico continuado de querer misturar à viva força toda a gente numa massa gigante que, de alguma forma vai funcionar na perfeição, não parece funcionar. Não funcionou não funcionou na Babilónia, não funcionou no Império Romano, não funcionou no Império de Alexandre, o Grande... e agora, também não está a funcionar na UE!»

5 comentários:

FireHead disse...

O que essa gente quer agora fazer com um novo referendo é anular, pois, este referendo que ditou a saída da UE. É tipo o que aconteceu com Portugal em relação à despenalização do aborto. Primeiro, como ganhou o 'não', realizou um novo referendo para que o 'sim' pudesse ganhar. E se não tivesse ganhado à segunda, teria sido à terceira, ou à quarta e por aí fora. Isto é que é a democracia, pelo visto...

Bilder disse...

«Para mim, uma das lições mais difíceis das últimas décadas e sobretudo dos últimos anos é o reconhecimento fundamental de que nós vivemos num mundo de tribos, de nações. E este evento histórico continuado de querer misturar à viva força toda a gente numa massa gigante que, de alguma forma vai funcionar na perfeição, não parece funcionar. Não funcionou não funcionou na Babilónia, não funcionou no Império Romano, não funcionou no Império de Alexandre, o Grande... e agora, também não está a funcionar na UE!»-----------------Exacto!

Afonso de Portugal disse...

FireHead disse...
«É tipo o que aconteceu com Portugal em relação à despenalização do aborto. Primeiro, como ganhou o 'não', realizou um novo referendo para que o 'sim' pudesse ganhar.»

Exctamente... o erro, do ponto de vista da superclasse mundialista, foi ter-se feito o referendo. Dever-se-ia ter feito como na questão do casamento e adopção guei aqui em Portugal, aprovava-se no Parlamento e pronto! O povo precisa de ser consultado para quê, afinal? Para nos estragar os nossos planos de dominação global


Bilder disse...
«Exacto!»

Pois... só que a maioria dos ocidentais não vê a coisa assim.

COMUNISMO JUDEU disse...

dica para quem esta adentrando no mundo nacionalista: fique com aqueles que tem historia no movimento ,seja na politica ou no ativismo . nunca ,jamais, vá com aqueles que nao possuem um historico nacionalista ,mas que do dia para noite ganharam notoriedade por conta de sua alegada visão anti politicamente correta .o segundo tipo faz parte da oposiçao controlada e visa neutralizar o descontentamento popular fazendo as pessoas andarem circulos ao abordar assuntos de menor relevância .

Afonso de Portugal disse...

Aqueles que "têm história no movimento" nunca nos levaram a lado nenhum ! Há vídeos do PJW e do SF que têm mais visualizações numa semana do que qualquer blogue nacionalista, português ou brasileiro, tem em vários anos!

Prefiro mil vezes um indivíduo com uma audiência grande de pessoas que podem ser convertidas do que um indivíduo que apenas fala para meia-dúzia de pessoas que já foram convertidas. O problema do nacionalismo é que é preciso converter os não-convertidos. E nisso, aqueles que "têm história no movimento" continuam a falhar espectuacularmente!