segunda-feira, 27 de junho de 2016

O Brexit é o maior mandato democrático de sempre do Reino Unido


      Em 1997, o Tony Blair obteve 13,5 milhões de votos; o John Major tinha obtido 14 milhões em 1992. No referendo sobre a reforma eleitoral do Reino Unido, em 2011, o sistema de voto alternativo foi rejeitado por 16 milhões de eleitores britânicos; a permanência do Reino Unido na CEE tinha sido aprovada por 17,4 milhões em 1975. O traidor dimiesco David Camarão obteve 10,7 milhões de votos no seu primeiro mandato e 11,3 milhões em 2015.


O Brexit, porém, foi aprovado por 17,4 milhões de britânicos.
 
Este é o maior mandato democrático da história da Grã-Bretanha. Mas, não obstante, a alta finança, o grande capital, as corporações multinacionais e as instituiçõs que os representam, com a corrupta Comissão Europeia no topo, estão a dizer em uníssono: «Não, vocês não podem ter este referendo!»

2 comentários:

Anónimo disse...

Completamente, é um voto contra o sistema.
A jornaleira do costume encontrou logo pontos de fractura por onde pegar como o facto da juventude ter votado em 75% pela permanência em contraste com a faixa mais idosa. Agora já se proclama uma guerra juventude vs reformados. Como se a juventude, educada e habituada pelo sistema a reconhecer nele só os 'benefícios' fosse capaz de ter alguma racionalidade e pensamento crítico no seu voto.

G, o cigano

Afonso de Portugal disse...

«Como se a juventude, educada e habituada pelo sistema a reconhecer nele só os 'benefícios' fosse capaz de ter alguma racionalidade e pensamento crítico no seu voto.»

Antes pelo contrário, é precisamente o grupo etário que mais se presta à manipulação emocional. E é precisamente por isso que a superclasse mundialista está a apostar nela, apelando à sua revolta contra "os velhos retrógrados e racistas".