terça-feira, 21 de junho de 2016

Brexit D-2: Toby Young: «Brexit: Factos, não Medo»


     Já só faltam 2 dias para aquele que pode ser o referendo mais importante da nossa geração: o famigerado Brexit, o referendo à permanência ou saída do Reino Unido da (des)União Europeia. Já publiquei aqui no TU vinte e quatro vídeos que explicam o que está em causa no Brexit
...E tenciono publicar um novo vídeo sobre o tema todos os dias até ao "dia D", o dia 23 de Junho de 2016.

Para hoje, escolhi uma cara diferente, embora não menos convincente do que os habituais defensores do Brexit: Toby Young, editor associado do jornal "The Spectator". O Sr. Young gravou este vídeo nos arquivos do jornal, onde foi resgatar os panfletos oficiais da campanha do referendo de 1975, no qual os britânicos acabaram por decidir permanecer no Reino Unido. O que ele foi "desenterrar" é por demais elucidativo...



A destacar:
  • 01m05s «[Em 1975] Foi dada a garantia, ao povo britânico, de que nenhuma lei lhes poderia ser imposta sem o consentimento dos seus representantes eleitos. (...) e que "o Ministro que representasse a Grã-Bretanha teria poder de veto sobre qualquer nova proposta, lei ou imposto que considerasse ser contrário aos interesses dos seus eleitores.»
  • 02m32s «Antes do Tratado de Lisboa ser assinado, em 2007, todos os estados-membros tinham poder de veto sobre as políticas de defesa comum da UE. Mas hoje, as decisões são tomadas por uma maioria de estados-membros.»
  • 02m49s «Após o Tratado de Lisboa, o Reino Unido perdeu o seu poder de veto em mais de quarenta áreas políticas distintas [e Portugal, quantas terá perdido?]»
  • 03m12s «Nos últimos 20 anos, houve 72 ocasiões em que o Reino Unido se opôs às medidas do Conselho da UE... e em todas essas 72 ocasiões, o Reino Unido perdeu para os outros estados-membros. (...) E embora o Reino Unido não tenha poder de veto sobre as decisões da UE, a UE tem poder de veto sobre as leis e impostos fixados pelo Parlamento Britânico!»
  • 04m25s «Desde 1973, o Reino Unido já perdeu 1001 casos no Tribuna de Justiça Europeu [e Portugal, quantos terá perdido?]»
  • 04m53s «A percentagem de leis em vigor no Reino Unido que foram redigidas pela UE é de 59% [e em Portugal, qual será a percentagem correspondente?]»
  • 05m55s «Na UE, as leis não são feitas no Parlamento Europeu. Nem sequer são feitas pelo Conselho da UE. Ao invés, as leis são feitas por um grupo selecto de 28 representantes não-eleitos, designados por comissários europeus. Os europeus não os elegem, nem podem demiti-los, porque eles são nomeados por uma elite política. Não são apenas pessoas que não venceram eleições... muitas vezes, são pessoas que as perderam! »
  • 06m50s «Assim que as leis tiverem sido propostas pela Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o Conselho da UE podem apenas rejeitá-las, emendá-las ou rectificá-las Uma vez aceites, as leis não podem ser revogadas. Ou seja, o Parlamento Europeu tem menos poder do que a Casa dos Lordes!»
  • 10m17s «A Grã-Bretanha é o maior importador de bens da UE e o segundo maior contribuidor para a UE, com 10 mil milhões de libras por ano.»
  • 12m01s «Podermos descartar os nossos representantes políticos é um direito democrático fundamental.»

Sem comentários: