quinta-feira, 9 de junho de 2016

Banco Central Europeu apela à iminvasão da Europa para combater o "declínio demográfico"


   Sem supresa, o cada vez mais inútil BCE está a cumprir o seu papel enquanto instituição da monstruosa (des)União Europeia! Mas esta velha falácia de importar milhões de imigrantes para combater o "declínio demográfico" da Europa desmonta-se muito facilmente: se deitarmos água ao vinho, não continuamos a ter vinho!

O "declínio demográfico" da Europa só se combate de uma forma: incentivando a natalidade dos Europeus. O "declínio demográfico" da Europa não se combate susbtituindo os Europeus!

 

4 comentários:

Sr. Hamsun disse...

Esses traidores nojentos fazem o que for necessário para destruir a Europa. Ao pé deles, Judas era um aprendiz. Não têm moral, pátria, nada, não têm valores, só contravalores. Se não for o leste da Europa e a Rússia a darem uma ajuda a isto não haverá hipóteses. O Ocidente está irremediavelmente corrompido e só com uma revolução à escala de 1848 o cenário pode alterar-se. Nessa altura os revolucionários foram esmagados pelos reaccionários, hoje passa-se o oposto. Mas faz tudo parte do mesmo processo. Se formos ver, a Europa tem servido de laboratório a todas as experiências de engenharia social, todas elas alimentadas pelos senhores do mal. Da revolução bolchevique ao suedistão tudo se passa aqui, neste laboratório de pesquisa.

Afonso de Portugal disse...

Tudo verdade, caríssimo! Infelizmente, julgo que desta vez temos um problema que mais nenhuma geração teve em toda a hitória do Ocidente: a força da demografia está contra nós! O que significa que a nossa guerra vai ser mais bem difícil do as guerras travadas pelos nossos antepassados!

A minha esperança é que os senhores do mundo se tenham precipitado com esta "aventura" dos refugiados... que tenham sido demasiado gananciosos e tenham subestimado a reacção dos povos europeus! Vamos lá ver o que acontece este Verão!

Jorge disse...

Eles já nem disfarçam o que pretendem! E o pior cego é aquele que não quer ver!

Afonso de Portugal disse...

O problema é que temos muitos cegos entre nós, caro Jorge... mesmo muitos cegos!