quarta-feira, 25 de maio de 2016

Lusofonia vibrante: "reagrupamento familiar" quase acaba em violação!


«Uma jovem de 19 anos foi atacada sexualmente pelo filho do padrasto, anteontem, no Seixal. O agressor, de 22 anos, chegou recentemente de São Tomé, ao abrigo do programa de reagrupamento familiar.»

 "Anda cá, maninha! Vou enriquecer-te!"

«O ‘novo irmão’ aproveitou o facto de os dois terem ficado sozinhos em casa e tentou violar a jovem. Só não conseguiu porque esta se defendeu e fugiu, seminua, para a rua, onde pediu ajuda.

O agressor foi preso pela PJ de Setúbal, mas libertado pelo Tribunal de Almada.» 

Comentário do blogueiro: que vibrante, pá! Um irmãozinho acabado de vir de São Tomé para tornar a vida da irmã mais colorida e emocionante! A avaliar pela medida de coacção aplicada ao "jovem", o tribunal de Almada aprova... portanto, quem somos nós para condenar?

6 comentários:

Bruno Dias disse...

Os nossos tribunais são uma autentica anedota. Até onde a nossa sociedade vai parar, é o que me pergunto sempre que leio coisas como esta. Nós, brancos ocidentais, somos o gozo de todo o mundo.

Afonso de Portugal disse...

Ainda por cima os nossos juízes ganham balúrdios! Que trabalho maravilhoso, ganhar 3500 € por mês para mandar criminosos para casa. Ainda deve ser melhor do que ter um consultório privado!

Vitor disse...

"Nós, brancos ocidentais, somos o gozo de todo o mundo."

É verdade. É ridiculo o que estamos a viver.

Afonso de Portugal disse...

A verdade é que também temos muita culpa. Damos demasiado valor àquilo que não interessa (carros, roupas de marca, futebóis, telenovelas, bigue bródas, etc.) e pouco valor àquilo que realmente interessa: família, valores, literacia financeira, natalidade, demografia, cidadania, responsabilização da classe política, civisimo...)

Vitor disse...

Afonso, penso que isso deriva tudo da propaganda a que somos submetidos. So 1% ou menos se salva dela e vê fora da propaganda. Propaganda e lavagem cerebral sao altamente eficazes e moldam a forma de pensar do povo.
Essa propaganda é que faz com que nao tenhamos consciencia racial e nao demos valor a familia, continuaçao da raça, etc e preocupemo-nos mais com um bom carro, joias, telemoveis, etc.
Essa propaganda é que faz com que o europeu se torne ridiculo e nao conteste estar a trabalhar para pagar natalidade de imigrantes, subsidios, comida para imigrantes de borla. Andamos a trabalhar para sustentar povos imigrantes que nao fazem nenhum na sua terra e nem aqui.

Se nao houvesse propaganda os europeus recusariam e achariam isso maluquice tal como qualquer um acharia maluquice andar a trabalhar e dar dinheiro de mao beijada ao vizinho do lado que nao trabalha e nem o quer e entretanto teve 5 filhos e agora espera que nos paguemos, nos que nem filhos tivemos porque nao temos dinheiro. Ninguem aceitaria pagar a esse vizinho, mas depois acabamos por faze-lo indirectamente. Depois andamos a pagar impostos que governos depois desviam para pagar a imigrantes, ou seja indirectamente fazemos isso, pagamos a "vizinhos" que nao querem trabalhar, sustentamo-los, somos roubados literalmente mas nem nos damos conta disso. E com toda a propaganda continuamos a votar nos partidos que nos roubam dinheiro para dar a essa gente agressiva, preguisoça, incapaz que tem filhos aos montes e depois vem-se queixar de pobreza, guerra, etc e exige ajuda dos europeus. E ai de nos que nao ajudemos que somos logo racistas e etc. Depois alem dos media, temos nojentos como o Guterres que exigem dos europeus tudo e mais alguma coisa para ajudar os imigrantes. É demais ridiculo. Quem sabe o que se passa realmente diz, "estes europeus sao mesmo burros, sao gozados a força toda, andam a trabalhar para pagar aos outros, que anjinhos, que burrinhos, que lorpas, que inocentes, etc"

Afonso de Portugal disse...

Vitor disse...
«Afonso, penso que isso deriva tudo da propaganda a que somos submetidos.»

Sim, sim, eu sou inteiramente dessa opinião: é no plano sociocultural que temos perdidod a batalha, nos mé(r)dia, nas escolas, nas instituições públicas. É uma uma lavagem cerebral muito forte, praticamente todos os dias, desde que somos pequeninos. Farto-me de dizer isso aqui no TU mas para além do Sr. Hamsun (do blogue "O Século das Nuvens"), só o JJHN (do "História Maximus") e o Orlando Braga ("Algol Mínima" e "Perspectivas") parecem perceber essa realidade. A chave para controlar o eleitorado é a apropriação da narrativa sociocultural.


«Depois andamos a pagar impostos que governos depois desviam para pagar a imigrantes, ou seja indirectamente fazemos isso, pagamos a "vizinhos" que nao querem trabalhar, sustentamo-los, somos roubados literalmente mas nem nos damos conta disso.»

E o sistema político está tão viciado que ambas Esquerda e "direitinha" (porque aqui em Portugal não temos uma verdadeira direita), se tornaram dependentes dos votos desses "vizinhos"! É por isso que ambas são favoráveis à imigração: trata-se de importar cada vez mais "vizinhos" que votam neles a troco de uma prestação social!


«Quem sabe o que se passa realmente diz, "estes europeus sao mesmo burros, sao gozados a força toda, andam a trabalhar para pagar aos outros, que anjinhos, que burrinhos, que lorpas, que inocentes, etc"

Sim, sim, isso nota-se até no discurso dos "refugiados" e na forma como eles se indignam quando não têm internet, ou um apartamento a seu gosto, ou dinheiro suficiente para ir às prostitutas... convenceram-se que o Europeu é estúpido e tem de pagar!