sexta-feira, 1 de abril de 2016

Sobre a indolência negligente da justiça "tuga" (10)


«Os 10 jovens que se envolveram num tiroteio em Almada na quarta-feira Martes ficaram hoje em liberdade, mas sujeitos a termo de identidade e residência, disse à Lusa fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Segundo a mesma fonte, os jovens foram presentes no Tribunal de Almada e estão indiciados pelos crimes de posse e uso ilegal de arma.

O termo de identidade de residência é a menos grave das medidas de coação previstas e obriga o arguido a comparecer perante as autoridades sempre que a lei o obrigar ou para tal for notificado.

O arguido passa a não poder mudar de residência ou a ausentar-se dela por mais de cinco dias sem comunicar a nova residência ou o lugar onde possa ser encontrado.»


 Dois "jovens" caminham alegremente pela rua... quem irão enriquecer?


Sobre o tiroteio a que a notícia se refere, o PNR publicou esta nota na sua página do Facebook:

«Dez detidos após tiroteio em Almada

No local estiveram dez veículos e vinte e nove operacionais, além do Serviço Municipal de Protecção Civil, INEM, Polícia de Segurança Pública e Polícia Judiciária.

A PSP de Almada deteve hoje dez pessoas perto da Quinta da Chegadinho, depois de ter sido registado um tiroteio. São todos jovens, com idades entre os 18 e os 25 anos.

Os agentes foram chamados, através do 112, por um alegado tiroteio naquele bairro.

A descrição feita pelas testemunhas, levou a PSP a abordar duas viaturas em que seguiam os detidos. Em cada uma, foi apreendida uma arma: uma caçadeira de canos serrados e uma pistola ponto 25. A operação decorreu por volta das 17h00 e levou cerca de 15 minutos.

Os detidos são os suspeitos dos disparos que momentos antes foram ouvidos no bairro.

Cada tiro, cada melro! Só teremos paz e segurança quando mudarmos a leis que beneficiam estes "jovens".»


Comentário do blogueiro: pois é, caros leitores, parece que ter armas ilegais e andar aos tiros na via pública já não é um crime digno de prisão neste nosso belo país à beira-mar plantado! Pergunto-me se o critério do juíz que tomou esta decisão se manteria caso os "jovens" envolvidos fossem um pouco mais "velhos"...

_____________
Ver também:   

6 comentários:

luis barreiro disse...

Mas estes "jovens" e suas famílias valem muitos votos, quantos mais, mais votos nos partidos que os defendem obténs. Isto tem de começar a ser mostrado ao povo português o porquê de haver partidos que defendem criminosos.

Afonso de Portugal disse...

Exactamente! Tenho dito isso ao longo dos anos aqui no TU: os partidos do "centrão" criaram uma veradeira cultura de subsidiodependência cujo objectivo é precisamente perpetuar, através do voto em dá a mama, os partidos do Arco da Tragédia (PS/PSD/CDS/CDU/BE) na Assembleia da República.

É precisamente por isso que aqueles que, na Direita, se cingem unicamente à análise económica, andam com os olhos completamente fechados! Porque é justamente no plano sócio-cultural que a Direita e, sobretudo, o Tradicionalismo, têm perdido a batalha. Pior do que isso, nem sequer têm comparecido para lutar, porque não reconhcem a ameaça.

E o resultado desta falta de visão estratégica tem sido a destruição sistemática e continuada do Ocidente...

luis barreiro disse...

Caro Afonso nunca tinha visto por esse prisma e realmente a actual direita afecta o discurso essencialmente no plano económico, quando no plano sócio-cultural conseguia obter mais adeptos.

Outro factor importante, é o facto que quem quer menos estado e não acredita no estado, por norma não acredita em políticos e raramente vota, já quem acredita no estado, depende do estado e quer um estado maior vota sempre, porque acredita no estado.

Afonso de Portugal disse...

Ora, lá está, caro luis barreiro! Há quem diga que, independemente do que possamos pensar a respeito do Estado, é nosso dever enquanto cidadãos participar no processo político. Se reparar, quase todas as pessoas que dizem isto são de esquerda. Há, de facto, uma grande consciencialização e militância activa por parte do eleitorado da esquerda... e isso faz toda a diferença!

É isso que explica, por exemplo, o facto de o pensamento de esquerda ter dominado por completo os sectores-chave da nossa sociedade: as universidades, os meios de comunicação social, o discurso político dos grandes partidos e até a forma de pensar dos gestores das grandes empresas, que agora até já aceitam quotas de "género" e programas de sensibilização cultural para a integração das minorias!

O mais grave de tudo é que o atraso que a Direita tem em relação à Esquerda é tão grande que eu não sei se será recuperável... pelo menos, nas próximas décadas.

Renato Santon disse...

Em Portugal há a mesma cisão que há no Brasil, a esquerda econômica não é aliada da esquerda cultural ( progressismo)

Por outro lado o grosso do povo Português e mediterrâneo é conservador em cultura, portanto aproximado da direita cultural; mas por outro lado também é defensor de certa intervenção no estado, limites ao liberalismo, assistencialismo social, etc...
Essa alternativa de poder não existe e caso fosse criado algo assim logo seria tachado de neo-nazi, fascista, etc...

O mal do nazismo é que ele serve de paradigma a todo e qualquer projeto de país tradicional e que queira realizar um projeto de desenvolvimento estatal.
Tudo o que se assemelhar a isso é "crime", bem como querem os donos da europa em Bruxelas.

A única direita que nos é facultada pela superclasse midiática é a direita ultraliberal em ditames econômicos, desestatizante, quase anárquica.

Mas o bom que é tradição, paz e ordem... não isso é fascismo, não pode existir.

Afonso de Portugal disse...

Renato Santon disse...
«(...)o grosso do povo Português e mediterrâneo é conservador em cultura, portanto aproximado da direita cultural; mas por outro lado também é defensor de certa intervenção no estado, limites ao liberalismo, assistencialismo social, etc... »

Isso é verdade par Portugal como um todo, mas o problema é que há assimetrias regionais muito grandes entre os portugueses.

Nos grandes centros urbanos do litoral, em particular em Lisboa e no Porto, o eleitorado tende a ser mais cosmopolita e a partilhar a visão degenerada das elites europeias. É lá que se encontra o grosso do apoio ao Partido Socialista (de base Marxista) e ao Bloco de Esquerda (Marxismo Cultural + Trotskysmo). Já o Partido Comunista é apoiado não apenas nessas áreas mas também em regiões onde predominou o latifúndio, em particular no Alentejo.

É nas regiões do interior, sobretudo no Norte e no Centro de Portugal, que predomina o conservadorismo português. Só que há um problema: o eleitorado destas regiões está muito envelhecido e não pôde acompanhar a mutação do marxismo em marxismo cultural. é por isso que continuam a votar maioriariamente na direita (PSD+CDS), sem perceberem que essa mesma direita é apenas uma "direitinha", isto é, uma direita totalmente sob controlo da superclasse e que, por conseguinte, não combate a esquerda no plano sócio-cultural, apenas no plano económico.