terça-feira, 5 de abril de 2016

Hospedeiras da Air France obrigadas a usar véu e roupas largas em Teerão


É assim o capitalismo selvagem preconizado pelas elites europeias... pelo verdinho, vale tudo! E quando alguém acena com ele, depressa se deitam os direitos das mulheres pela janela fora. Espera-se, a qualquer momento, as reacções indignadas das feministas ocidentais...

«A Air France vai reabrir rota entre Paris e Teerão a partir de 17 de Abril e estabeleceu como regra o uso de véu e calças largas por parte das assistentes de bordo assim que avião aterrar no Irão. Sindicato protesta. 


A decisão gerou um conflito laboral relacionado com a roupa que o pessoal feminino da companhia terá de usar quando pisar solo iraniano. Um dirigente sindical do sector, entrevistado hoje pela emissora France Info, referiu que a direcção da companhia pediu que as mulheres da Air France usem véu a cobrir o cabelo e vistam calças e camisolas largas que cubram todo o corpo quando saírem do avião, com destino ao hotel em Teerão.

Caso se recusem a fazê-lo, o pessoal de cabine feminino arrisca-se a sanções com efeitos no salário e na carreira profissional.

Estão programados três voos semanais Paris-Teerão, tendo a retoma da ligação resultado do levantamento das sanções impostas ao Irão por via do acordo sobre o programa nuclear.

O sindicalista manifestou preocupação com esta situação à ministra que tutela os direitos das mulheres, Laurence Rossignol, tendo felicitado o facto de a governante ter contactado a organização para se inteirar, com maior detalhe, das restrições colocadas à tripulação feminina.

Em comunicado, o sindicato mostrou-se convencido de que, uma vez informada, a ministra vai contactar rapidamente com o departamento de recursos humanos da Air France para sugerir uma solução que respeita a “sensibilidade” das funcionárias.

Numa primeira reacção, a Air France expressou a sua surpresa pela posição do sindicato, sobretudo porque a obrigatoriedade do véu “não é uma novidade”, já que existem em relação a outros destinos como Arábia Saudita para onde a companhia voa.

A legislação iraniana impõe que as mulheres usem um véu que cubra o cabelo nos espaços públicos

Comentário do blogueiro: pois é, caros leitores, a superclasse plutocrática que manda nisto tudo bem tenta convencer-nos que os ocidentais jamais terão de abdicar dos seus direitos e liberdades no mundo globalizado que elas estão a criar gradualmente... mas na realidade acabamos sempre por constatar que isso é mentira. Desde as "no-go zones", até à esclarecedora sobre-representação dos iminvasores nas estatísticas da crime e da população prisional, passando inevitavelmente pela deterioração dos direitos das mulheres ocidentais que as "nossas" feministas dizem ser oprimidas pelo "patriarcado do homem branco".

____________ 
Ver também:

Retrocesso na Alemanha
Mais de seis mil mulheres em Portugal foram submetidas a mutilação genital
Mulher do presidente da Turquia defende haréns como "instituição educacional"
Estudantes muslos deixam de apertar a mão a professoras na Suíça (Gladius)
Prófes bifes não querem que as escolas britânicas ensinem valores britânicos (Gladius)
Desordem e anarquia (Lura do Grilo)
Por que é tão fácil atacar a Europa? (A-24 Notícias*Estudos*Opinião)
De Pequenino é Que se Torce o Pepino... (História Maximus)
Novas do Suedistão (rubrica/etiqueta n'O Século das Núvens)
Islão: o que os outros dizem (Blogue do FireHead) 

Sem comentários: