sexta-feira, 8 de abril de 2016

A traição aos Portugueses em imagens concretas (5)


     Esta é dedicada a todos os "patriotas" e "nacionalistas" que votaram no Marcelinho da direitinha em nome da contenção da esquerda ou de outras razões igualmente falaciosas:

Ò Munir, tens de me ensinar a mandar umas cotoveladas ao teu estilo!
Podem vir a dar jeito no futuro, caso me apareça um nacionalista de verdade a pedir contas...

____________
Ver também:

As novas da "direitinha" cá do burgo
Reflexões sobre as Presidenciais de 2016
Xeque Munir divorcia-se: a sua mulher é expulsa da Mesquita Central de Lisboa!
Líder da comunidade islâmica "portuguesa" agride a sua mulher à cotovelada!
A cotovelada islâmica (via A-24)

4 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Um escarro de Presidente que só o é, porque vivemos num País de ignorantes e analfabrutos.

Afonso de Portugal disse...

Acredite, caro JJHN! Mas nem tudo foi mau nesta eleição, porque tivémos a confirmação definitiva de que os mé(r)dia são o principal veículo de condução ao poder. Essa é a grande lição a aprender com Marcelo.

E é por isso que os nacionalistas que não estão preocupados com a sua audiência e, sobretudo, em fazê-la crescer, só revelam a sua estupidez monumental! Porque "longe da vista, longe do coração", como diz o povo. O mérito do Marcelo foi precisamente saber estar na vista -e logo, no coração do eleitorado- durante muitos anos!

FireHead disse...

Uma imagem que muito deve agradar todos aqueles que gostam do nacional-socialismo. Marcelo no lugar do Hitler e Xeique Davir Munir no lugar do Grande Mufti de Jerusalém.

Afonso de Portugal disse...

FireHead disse...
«Marcelo no lugar do Hitler e Xeique Davir Munir no lugar do Grande Mufti de Jerusalém.»

Não tinha pensado nisso e tenho que admitir que tu agora estiveste muito bem! :)

É isso mesmo, o mais alto representante da elite pulhítica portuguesa com o mais alto representante do credo do profeta pedófilo em Portugal... da mesma forma que em tempos tivémos o mais alto responsável da insanidade do III Reich a acolher entusiasticamente o mais alto representante da mafoma no Médio Oriente.

De facto, a história repete-se ciclicamente e replica-se um pouco por toda a parte!