quarta-feira, 2 de março de 2016

Desde o início de 2016 já entraram na Europa 131 mil refujiadistas!


...E o ano ainda mal começou! Aliás, estamos no Inverno, que é a supostamente a estação do ano em que menos iminvasores arriscam atravessar o Mediterrâneo! 2016 promete ser mais um grande ano para os inimigos da Europa!

«Milhares de refugiados continuam a chegar à Europa. Só nos dois primeiros meses deste ano, 131 mil imigrantes utilizaram o Mediterrâneo como porta de entrada. Mais do que nos cinco primeiros meses do ano passado, anunciou esta terça-feira este Martes o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).»

 Que colorido! Que vibrante! Que diverso!... Espera lá, onde é que estão as mulheres e as crianças?

«"Os números desta manhã mostram que 131.724 pessoas fizeram a viagem pelo Mediterrâneo em Janeiro e Fevereiro. Destas, 122.637 chegaram à Grécia", declarou em Genebra um porta-voz do ACNUR. O ACNUR observa que as chegadas de migrantes à Europa diminuíram no Inverno, embora "se mantenham num nível relativamente alto".

Na Grécia, existem, neste momento, 24 mil migrantes e refugiados que precisam de alojamento. Entre estes, 8.500 encontram-se em Idomeni, junto à fronteira com a Macedônia. Pelo menos, 1500 pessoas dormiram ao relento na noite passada, acrescentou o porta-voz

Recordo aos meus leitores que a Frontex, a agência que monitoriza e regula o controlo das fronteiras da (des)União Europeia, estima que tenham entrado na Europa mais 1,8 milhões de refugiadistas (a referência para os números liga à esquerdista BBC, que é para não aparecer aqui nenhum deficiente mental a dizer que estou a mentir).

____________
Ver também:

Isto não é uma invasão? Têm a certeza?!
O suicídio colectivo forçado das nações europeias
Paul Joseph Watson sobre a iminvasão da Europa
Coisas que os mé(r)dia não mostram acerca da "crise dos refugiados"
As novas da iminvasão da Europa (10)
Mer(d)kel volta a usar chantagem emocional para com os europeus
Olha que "surpresa": a UE quer que Portugal receba mais refujiadistas!
Só este ano: mais de 700 mil iminvasores já entraram na Europa!!!
Quantos são e por onde estão a entrar os "refugiados"?

14 comentários:

João José Horta Nobre disse...

«...E o ano ainda mal começou! Aliás, estamos no Inverno, que é a supostamente a estação do ano em que menos iminvasores arriscam atravessar o Mediterrâneo! 2016 promete ser mais um grande ano para os inimigos da Europa!»

E a ofensiva de primavera ainda nem começou...

Bilder disse...

As autoridades alemãs revelaram a semana passada que estavam 130 mil(das várias centenas de milhar recebidos com palmas e welcomes)"desaparecidos" ou seja aos quais perderam o rasto.Seria curioso(ou tragicómico)que a Alemanha depois de ser base nazista se torna-sse base jihadista.

Bilder disse...

Interessante este post de 2014 http://omarxismocultural.blogspot.pt/2014/12/feminismo-preparou-caminho-para-islao-1.html não é para fazer concorrência até porque o seu blog é bastante mais abrangente e completo.

Missy disse...

Deta não faço um comentário ao post, mas sim quero partilhar algo que soube recentemente: dia 19 de Março está prevista uma manifestação a nivel global contra o genocídio branco e a mistura forçada. O link: http://whitegenocideproject.com/march-against-white-genocide-march-19th/

Tenho ideia que cá não se vai fazer nada, pelo menos ainda não ouvi falar disto...

Anónimo disse...

Não vejo problemas em acolhermos sírios, mas discordo quando se aceitam iranianos, iraquianos, afegãos, eritreus, etc.
A Europa não deve ter problemas em acolher 200'000 refugiados quando temos 500 milhões de habitantes, esse é um não-problema.
Hoje, sou igualmente da opinião que poderão ser uma grande mais valia demográfica e repovoar o nosso interior e investir forte na educação e formação deles. Repare-se: se acolhermos cá no nosso Alentejo não 10 mil, mas um numero um bocado mais generoso, sei lá, 50 mil repartidos pelos próximos 5 anos, a região vai começar a desenvolver gradualmente. Espero que o povo português na sua tradição de bem receber não esqueça a integração dos retornados ou então dos nossos imigrantes das últimas decadas dos PALOPs que tem sido muito positiva e alargarmos a nossa generosidade um bocado fora do âmbito das nossas ligações históricas e acolher o povo sírio que bem merece. Lisboa é hoje uma cidade global, na linha de uma Londres ou Berlim, onde se vêm hoje em dia imensos casais mistos, onde vemos a comunidade LGBT a viver a sua vida sem ter medo ou mesmo a quantidade admirável de jovens europeias que frequenta discotecas africanas. O nosso país não pode desaproveitsr uma grande oportunidade para provar nos rankings internacionais que somos uma cidade aberta, diversa e moderna. Que não ficamos atrás de nenhuma Londres, Paris ou Nova Iorque.

G, o cigano

Renato Santon disse...

Falam em refugiados.

Onde estão os velhos, mulheres e crianças nas fotos ?

Isso é um exército de vagabundos e terroristas que invade a europa.

Só é bom para os progressistas miseráveis que desejam acabar com o estado-nação, com os povos e fazer da Europa algo como os Estados Unidos da Europa.

Além de lucrar com essa ralé abjeta que trabalha por migalhas.

-

Onde estão as mulheres e crianças ? Não há.

Esses aí são covardes e vagabundos, que nem para pegar um rifle e defender o seu país serviram. São fugitivos degradados morais, alguns ou na verdade talvez a maioria fugitivos do ISIS que prevendo a derrota vão pedir asilo na europa.

João José Horta Nobre disse...

O cigano que anda por aqui a fazer comentários pró-mundialismo, devia de ter vergonha de proferir tamanha nojice.

Afonso de Portugal disse...

O G tem o hábito de deixar comentários sarcásticos que, para aqueles que não o conhecem, parecem comentários sérios. Por vezes leva a coisa um bocado longe demais, com foi o caso deste último comentário...

Renato Santon disse...

O comentário do G não deixa de ter um teor crítico, apesar de sarcástico em excesso.

E é bom verificar que entre essa ironia toda algo se salva: se nas cosmopolitas Berlim e Londres não há críticas ou um sentimento de revolta contra o globalismo, ao menos em Portugal restam alguns lobos solitários ainda. O povo não absorveu tanto a idéia multiculti, é algo mais elitista.

O português em geral, me parece, nunca será tão adaptável e receptivo ao progressismo cultural como os nórdicos, como os ingleses. Melhor assim.

Afonso de Portugal disse...

Renato Santon disse...
«O português em geral, me parece, nunca será tão adaptável e receptivo ao progressismo cultural como os nórdicos, como os ingleses. Melhor assim.»

Infelizmente, isso está mudando. Apesar de ser pobre em termos europeus, o homem português está a tornar-se cada vez mais cosmopolita. Ainda não chegámos ao ponto dos homens do Centro e Norte da Europa, ue já andam de saias para protestar as violações... mas se nada mudar nos próximos anos, os nosso filhos serão como eles!

Anónimo disse...

Pior que isso tudo é a exemplificativa lei proposta e aceita na Suécia que impunha aos homens suecos a necessidade de sentar quando fossem a banheiros públicos, sentar obrigatoriamente para que tivessem privilégios sobre a mulher, urinar em pé é um ato machista.

Nesse pé estão as coisas pela escandinávia, um povo que me surpreendeu por sua fraqueza afinal; ao menos em Portugal o fato de ter um menor isolamento geográfico e ter que lidar mais frequentemente com a ralé africana e sul-americana, isso e também o sangue latino, tudo isso o torna mais impermeável à manipulação globalista que pretende transformarmo-nos todos em andróginos passivos da tecnocracia estatal, sem pai nem mãe.

Renato Santon

Afonso de Portugal disse...

Renato Santon disse...
«Pior que isso tudo é a exemplificativa lei proposta e aceita na Suécia que impunha aos homens suecos a necessidade de sentar quando fossem a banheiros públicos, sentar obrigatoriamente para que tivessem privilégios sobre a mulher, urinar em pé é um ato machista.

É verdade! Mas eu nunca consegui perceber como é que eles controlam o cumprimento da lei. Vão colocar um fiscal em cada banehiro público para vigiar os homens que vão fazer suas necessidades?


«(...)ter que lidar mais frequentemente com a ralé africana e sul-americana»

Sim, isso ajuda, sem dúvida. Mas o que se está passando na Escandinávia é absolutamente surreal. O governo controla tudo, desde as notícias veiculadas pelos mé(r)dia, até às matérias ministradas na escolas, passando evidentemente pelo sistema judicial. Eu não entendo como é que os suecos, que eram nos anos 90 o povo mais instruído da Europa, permitiram uma "orwellinizição" tão profunda da sua sociedade.

Talvez seja o resultado de tanta prosperidade. Nalguns casos, o bem-estar económico mantém as pessoas em níveis de conforto tão elevados que elas abdicam de lutar pelos seus direitos.

Renato Santon disse...

Eu não duvido nada que esses suecos coloquem câmeras nos banheiros para controlar a aplicação da lei, é um povo "sem sangue" nem senso crítico, aceitam absurdos tranquilamente.

Afonso de Portugal disse...

Bem, isso seria tão orwelliano que serviria de confirmação definitiva de que vivemos de facto em um regime totalitárias.