terça-feira, 22 de março de 2016

Atentados de Bruxelas: imagens captadas pouco depois das explosões


No aeroporto de Zaventem...






E na Estação de metro de Maelbeek:



Neste momento não tenho tempo para mais, mas logo à noite falarei disto mais detalhadamente... Até lá, sugiro que visitem:

Bélgica: 34 mortos e 170 feridos em duas explosões em Bruxelas (Creeping Sharia)
Béligica: suspeitos a monte (Observador da direitinha)
Há coisas do Diabo (História Maximus)
Bélgica e Europa em guerra (Amigo de Israel)
Centrais nucleares belgas evacuadas
Donald Trump: "os ataques jihadistas de hoje são apenas o princípio"

4 comentários:

Renato Santon disse...

O grande problema da situação:

O governo europeu vai justificar o aumento de poderes para "controlar" o mal que eles mesmos trouxeram ao abrir as fronteiras.

Estamos diante de uma farsa grotesca.

Não é com mais poder europeu que se resolve a situação atual e sim justamente com o fim do governo europeu e uma europa das nações soberanas que expulse os alógenos e preze pelo caráter patriótico, não pelos interesses de banqueiros e mega-empresários.

João José Horta Nobre disse...

Obrigado.

Estamos a viver tempos de grandes mudanças na Europa. Vem aí uma tempestade das grandes...

FireHead disse...

Foram explosões de tolerância e da paz em nome do islão. É assim que os muçulmanos expressam o sentido do islão.

Agora é saber quando e onde será o próximo atentado.

Afonso de Portugal disse...

Renato Santon disse...
«O governo europeu vai justificar o aumento de poderes para "controlar" o mal que eles mesmos trouxeram ao abrir as fronteiras.»

Exactamente! Parta da estratégia passa pelo reforço de poderes da superclasse. Nesse sentido, as fronteiras abertas são do melhor que há para as nossas elites porque ajudam a cumprir vários objectivos:

1. Diluir as populações autóctones europeus ("if we can't drive them out, we'll breed them out"!) para criar uma sociedade mestiça e desenraizada.

2. Aumentar a conflitualidade interna nos estados-membros da União Europeia.

3. Devido a (2), reforçar avigilância e de controlo orwelliano das populações, invocando o argumento da segurança.

4. Aproveitar os europeus mortos nos atentados como argumento para justificar novas intervenções no Médio Oriente.


«Não é com mais poder europeu que se resolve a situação atual e sim justamente com o fim do governo europeu e uma europa das nações soberanas que expulse os alógenos e preze pelo caráter patriótico, não pelos interesses de banqueiros e mega-empresários.»

Nem mais! O problema é que, neste momento, a superclasse plutocrática controla tudo. É por isso que não será nada fácil acabar com o governo europeu. Se o "Brexit" fracassar, as coias ficarão muito complicadas...


João José Horta Nobre disse...
«Estamos a viver tempos de grandes mudanças na Europa. Vem aí uma tempestade das grandes...»

Infelizmente, o conflito parece-me cada vez mais inevitável. Nunc pensei que chegássemos a este ponto tão depressa.


FireHead disse...
«Foram explosões de tolerância e da paz em nome do islão. É assim que os muçulmanos expressam o sentido do islão.

Por alguma coisa lhe chama a religião da paz! :)