sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

O Bloco de Esquerda decidiu gozar com os cristãos!


     O Bloco de Esterco, partido cada vez mais popular aqui na Tugalândia, decidu colar vários cartazes pelo país fora para celebrar o "fim da discriminação na lei da adopção". 


A piada inscrita neste cartaz é uma falácia deverá ser óbvia para qualquer pessoa minimamente honesta: 
Deus e S. José não mantinham uma relação homossexual.

Mas os cristãos só têm o que merecem: por um lado, andam há 40 anos a votar no PS, no PSD e no CDS. Por outro lado, apoiam associações como a Cáritas que dedicam a maior parte dos seus recursos a apoiar os iminvasores. Tudo isto tem dado uma grande força à esquerda: o PS, o PSD e o CDS são exactamente iguais nas questões sociais, não se opondo à agenda do Marxismo Cultural e do Politicamento Correcto que deram força ao Lóbi Guei.

Actualização (16/03/2016):  anda por aí um analfabeto funcional -que eu me recuso a nomear porque não quero dar publicidade gratuita a imbecis- que decidiu implicar com a  legenda que eu coloquei por debaixo do cartaz do BE (a cor azul). O sujeito em causa afirma, com base na "leitura" dessa legenda, que eu estou a dizer que o cartaz do BE de alguma forma insinua que Deus e o S. José mantinham uma relação homossexual. Sim, eu sei, parece inacreditável, mas é verdade: há gente que é realmente assim tão estúpida (ou desonesta, para o caso deste cretino em concreto, tanto faz).

O que a legenda diz é exactamente o que está lá escrito e não aquilo que a ameba estupidamente me atribuiu: "a piada do BE [Jesus também tinha dois pais] é uma falácia porque Deus e o S. José não mantinham uma relação homossexual" e não apenas "Deus e o S. José não mantinham uma relação homossexual". Ou seja, em nenhum momento eu sugeri ou impliquei que o cartaz do BE dizia que Deus e o S. José eram amantes panisgas. Eu disse exactamente o contrário: o cartaz do BE é falacioso precisamente porque Deus e o S. José não eram um casal homossexual e, por conseguinte, não  podem ser comparados a casais homossexuais, ao contrário do que o cartaz do BE sugere. A falácia a que eu me refiro reside, evidentemente, na comparação que está implícita no slogan do cartaz: Jesus tinha dois pais, mas eles não eram paneleiros e, portanto, não faz qualquer sentido trazê-los à baila para falar de casais homossexuais, como o BE quis desonestamente fazer.

E a diferença entre o que eu escrevi na legenda e aquilo que o aleijadinho malformado me atribui deveria ser clara para qualquer um que não seja um perfeito atrasado mental. Infelizmente, há sempre "gente" que apenas lê aquilo que quer ler (ou que consegue ler) e não aquilo que efectivamente está lá.

Mais esclareço que eu não sou "beato", nem sequer religioso. E, como é óbvio, eu não escolhi esta alcunha de blogueiro por achar que sou uma espécie reencarnação do D. Afonso Henriques (embora esteja convencido que o espírito dele vive em cada verdadeiro português - "hoje a vigília é nossa"), da mesma forma que tenho a certeza que os idiotas úteis que andam na rua com t-shirts do assassino Che Guevara não acham que são o Ernesto.

7 comentários:

FireHead disse...

Isto nem sequer é uma novidade. Já os esquerdistas doutros países o tinham feito anteriormente. Eu também, que creio em Deus, tenho dois pais. E depois?

Afonso de Portugal disse...

Sim, mas o que o cartaz implica é que que Jesus tinha dois pais do sexo masculino, Deus e o S. José de Nazaré, o carpinteiro. Os bloquistas estão a tentar fazer passar a mensagem de que os cristãos são estúpidos em rejeitar a adopção guei porque até Jesus era filho de dois machos. Daí o meu comentário por debaixo da figura: Deus e o S. José não mantinham uma relação homossexual.

O mais curioso é que o esquerdalho diz que "Deus não tem sexo, é meio homem, metade mulher" para defender as questões transgénero e LGBT. Mas noutras alturas já diz que "Deus é homem e uma figura patriarcal, bem representativa da opressão do Cristianismo sobre as mulheres".

É conforme lhes convém... o grande problema é que há muita gente a votar neles.

FireHead disse...

O problema é que esses imbecis esquecem-se que Jesus também tem mãe, ainda por cima biológica, que estava com um homem como um casal formando uma família verdadeira. Não é essa escória esquerdista ateia, anti-religiosa ou laica?? Então para que perder tempo a referir-se a Deus?? Há coisas que eu não consigo mesmo compreender. É mesmo conforme lhes convém.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Afonso de Portugal disse...

FireHead disse...
«O problema é que esses imbecis esquecem-se que Jesus também tem mãe, ainda por cima biológica, que estava com um homem como um casal formando uma família verdadeira.»

Eles fingem que se esquecem, porque sabem perfeitamente que a Sagrada Família era uma família tradicional e é precisamente isso que os deixa f....


«Então para que perder tempo a referir-se a Deus??»

Faz parte da Teoria Crítica do Marxismo Cultural, ataca-se tudo o que der força à família tradicional. É isso que está em causa neste cartaz, sugerir que um casal de paneleiros vale exactamente o mesmo que um casal de verdade.

Renato Santon disse...

Eles estão apenas provocando como sempre, querem igualar Jesus a qualquer gay para ofender o cidadão comum. Querem uma reação para posteriormente se vitimizarem e conseguirem um fato para então atraírem a opinião pública( tem muito gay no jornalismo) para suas demandas.

O problema é a maneira de se fazer a crítica a essa turma homossexual.

A afirmação de masculinidade acaba sendo transcendida, no ver dos LGBT, pela questão da auto-afirmação de sexualidade, a ideologia de gênero.

Eles enxergam de uma maneira marxista a questão, como se a determinação do sexo fosse uma ordem opressora a se questionar e estivesse ao alcance de uma opção.

E o que é pior, a presença de Religião e da Igreja neste debate. Como justificar a afirmação de gênero e sexualidade ? O fazem pela questão religiosa, pelo tradicionalismo, porque tradicionalmente sempre houve pai e mão, marido e mulher... um viés tradicional religioso.

Burros ! Não percebem que esta é lenha a alimentar o fogo dos "revolucionários" de esquerda. Porque essa ralé só se alimenta da anarquia e precisa haver uma ordem constituída para motivá-los a esbravejar suas frustrações que na realidade é um inconformismo profundo com sua própria natureza degradada.

Então se temos que ter um "papai" e uma "mamãe" porque o Padre falou... nada é mais motivador ao ver dos progressistas que atacar isso, essa instituição opressora chamada Igreja.

Como sair do âmbito de debate desejado pela ralé LGBT-marxista ?

Levar o assunto para a questão naturalística dos corpos feitos para a reprodução, pela questão pragmática de se poder montar uma família sem adoção ( de um filho feito por um casal, o gay precisa sempre tirar o filho de alguém para ter um), etc...

O assunto não pode cair jamais no âmbito da psicologia ou da "liberdade de pensamento e opção sexual" pois este é um cenário viciado e já preparado de antemão pelos marxistas para que sua própria militância debate com o uso de clichês e jargões de efeito e sempre saia vencedora.

Afonso de Portugal disse...

Excelente análise, Renato! É isso mesmo, sem tirar nem pôr!