sábado, 6 de fevereiro de 2016

Manifestações do PEGIDA na Europa (hoje)


Reportagem da Russia Today sobre manifestações em Calais (França), Dresden (Alemanha) e em Birmingham (Reino Unido):




Confrontos em Calais entre elementos do PEGIDA francês (alegadamente) e as forças da autoridade.




Imagens do protesto do PEGIDA em Dresden:




O discurso de Tommy Robinson em Birmingham: «Por toda a Europa, as pessoas estão a levantar-se contra a islamização»

9 comentários:

Anónimo disse...

É engraçado é ver, mais uma vez, a rapidez com que os cães fardados reprimem os nacionalistas. Não se lhes vê tanto voluntarismo quando se trata de defender os europeus. SrHamsun.

Anónimo disse...

Uma bandeira do Paquistão; um paquistanês no palanque do Pegida UK; vários indianos/sul-asiaticos na manifestação do Pegida UK. Pergunto: com que opinião ficaste deste movimento nacionalista britânico?

G, o cigano

FireHead disse...

Esse Tommy Robinson não teve uma fase em que andava todo amiguinho dos muslos e que até disse qualquer coisa como a EDL estar errada depois de ter saído de lá?

Missy disse...

Por curiosidade, isto passou nas televisoes nacionais? é que me parece muito conveniente não passar visto começar-se a ouvir falar de campanhar a favor dos refugiados e o indiano ter ido dizer à Merkel que iriamos aceitar refugiados estudantes nas nossas escolas e universidades. Toca a meter a maioria do povo na santa ignorância. Até porque, muito provavelmente se passasse, estaria cheio de comentários como "xenofoia" "skinheads" "fascistas" e "nazis".

O que acho piada também é que os grupos islamistas manifestam-se e não se vê este aparato, chamam p**** e porcas às mulheres, mas ninguém lhes manda com uma lata de gaz pimenta no nariz, mas eeeh! é a cultura deles coitadinhos! temos de respeitar e aceitar que para eles que se sair à rua de calções sou uma valente porca, deveria ter vergonha. Mas, um grupo de brancos sai a rua a defender a sua cultura e a manifestar-se por se sentirem ameaçados e é o que se vê.

Afonso de Portugal disse...

Sr. Hamsum disse...
«É engraçado é ver, mais uma vez, a rapidez com que os cães fardados reprimem os nacionalistas. Não se lhes vê tanto voluntarismo quando se trata de defender os europeus.»

É verdade! Até prenderam um herói da Legião Francesa, um general de 75 anos que discursava contra a imigração em Calais! Enfim, teve mesmo de ser porque o velho era uma espécia de Chuck Norris francês e ia acertar o passo aos "refugiados"!

http://www.dailymail.co.uk/news/article-3435772/Former-commander-French-Foreign-Legion-75-arrested-Pegida-protest-Calais.html


G, o cigano disse...
«Uma bandeira do Paquistão; um paquistanês no palanque do Pegida UK; vários indianos/sul-asiaticos na manifestação do Pegida UK. Pergunto: com que opinião ficaste deste movimento nacionalista britânico?

O PEGIDA é tão-somente um movimento anti-islâmico, não é um movimento nacionalista. Se os paquistaneses e indianos que se juntaram ao PEGIDA têm como objectivo comum o combate ao Islão, então só têm mesmo de estar na manifestação. O Tommy Robinson deixou isso bem claro no seu discurso, quando disse: "nós não somos um movimento racista!"

Eu sou um nacionalista realista, não sou um alucinado conspiracionista nazi que acha que é possível explusar todos os estrangeiros e mais algum. Eu tenho dois grandes objectivos políticos: (1) acabar com a corrupção na política, criminalizando a gestão danosa e a subserviência à alta finança; (2) travar e, se possível, reverter a imigração, sendo que travá-la já não seria nada mau. É por isso que eu apoio o PNR, um partido nacionalista que não discrimina as pessoas em função da raça/etnia, mas que partilha esses dois objectivos.

De um ponto de vista estritamente nacionalista, o PEGIDA não é o movimento ideal, por não ser verdadeiramente identitário. Mas é de longe a melhor solução possível neste momento, por ser aquela que une mais pessoas em torno da ameaça islâmica, precisamente o problema que mais potencial tem acutalmente para mobilizar o eleitorado nacionalista.

Em suma, eu vejo o PEGIDA como um degrau que é necessário subir na escadas do Nacionalismo. Muitos nacionalistas acreditam que é possível chegar ao primeiro andar saltando a partir do chão, mas eu estou convencido que é preciso ir passo a passo.

Afonso de Portugal disse...

FireHead disse...
«Esse Tommy Robinson não teve uma fase em que andava todo amiguinho dos muslos e que até disse qualquer coisa como a EDL estar errada depois de ter saído de lá?»

Tanto quanto consegui perceber, o Tommy teve problemas com os skins que militavam na EDL e, quando foi para a prisão, foi abandonado pelos nazionalistas e deixado à mercê dos presos muslos. Felizmente, ele conseguiu cumprir a pena sem problemas de maior, mas teve de se aproximar temporariamente dos muslos para não ser perseguido. É por estas e por outras que eu respeito cada vez menos os admiradores do führer de bigodinho! Têm as prioridades todas trocadas, para dizer o mínimo...


Missy disse...
«Por curiosidade, isto passou nas televisoes nacionais?»

Aahahahahah, boa piada!!!

«acho piada também é que os grupos islamistas manifestam-se e não se vê este aparato, chamam p**** e porcas às mulheres, mas ninguém lhes manda com uma lata de gaz pimenta no nariz»

Viste aquele do rapazinho de 10 anos que foi violado numa piscina na Áustria?

http://www.jihadwatch.org/2016/02/austria-muslim-migrant-brutally-rapes-10-year-old-boy-in-vienna-pool

Já nem as suas crianças estão dispostos a proteger, quanto mais as suas mulheres! É realmente surreal o estado a que chegámos na Europa. Toda a gente amordaçada, toda a gente com medo de falar e agir, de perder o emprego, de ser condenada em praça pública, enfim... neste momento somos um autêntico rebanho de cordeirinhos amedrontados. E os lobos já se lambem com a o manjar que vêem diante de si!

Anónimo disse...

"(2) travar e, se possível, reverter a imigração, sendo que travá-la já não seria nada mau."

Travar a imigração já não seria mau? só se for para a Polónia, a Bielorrússia ou a Estónia. É que para a Bélgica, França, Holand, Suécia, Grécia, Portugal, Espanha, Reino Unido, Noruega, sobretudo estes, travar a imigração é o mesmo que não fazer nada, o processo será mais lento é um facto, mas será efectivo, os nativos europeus serão na mesma uma minoria num futuro próximo, ou seja o geenocidio dos povos europeus será efectivo, pois já existem milhões de alógenos (milhões com cidadania) nestas nações, entendes? basta saber contar, nem é preciso olhar para uma taxa de natalidade ou fertilidade. O campo moral e legitimo está do nosso lado, queremos preservar as nações e os povos, nós somos os bons.

ass. Semente Original

Afonso de Portugal disse...

Semente Original disse...
«travar a imigração é o mesmo que não fazer nada»

Não é verdade. Tendo em conta que estão a entrar milhões de imigrantes na Europa todos os anos, travar a imigração seria a melhor forma de começarmos a lidar com o problema da descaracterização da Europa.


«o processo será mais lento é um facto, mas será efectivo, os nativos europeus serão na mesma uma minoria num futuro próximo»

Vê se entendes uma coisa, Semente Original: neste momento, poucos são os europeus que estão dispostos a votar num partido que se proponha expulsar os iminvasores. Eu próprio já acreditei nessa possibilidade há uns anos, mas hoje vejo claramente que não passa de pura fantasia e wishful thinking. A maioria dos europeus nada tem contra os invasores, desde que se comportem de forma atinada ou, como as elites dizem eufemisticamente, "bem integrada". A propaganda a favor das minorias foi de tal forma eficiente e avassaladora que a maioria dos jovens indígenas europeus vê com naturalidade os casamentos mistos, os templos religiosos "diversos", as línguas e os "trajes exóticos" e até os os governantes mulatos!

Neste momento, qualquer pessoa que, por exemplo, sugerisse expulsar o António Costa tendo como argumentação a origem étnica do primeiro-ministro seria visto como um lunático. Nada mais do que isso, um LUNÁTICO! É preciso que os nacionalistas sejam capazes de perceber esta realidade, se queremos ter alguma hipótese de fazer a diferença.

O Nacionalismo europeu e, sobretudo, o nacionalismo português, têm fracassado precisamente pelo facto de os nacionalistas não perceberem o mundo em que vivem actualmente. Há demasiadas pessoas que não entendem que as grandes guerras se vencem ganhando as pequenas batalhas. Entrar a pés juntos num mundo que aprendeu a amar o alógeno e propôr a expulsão de todo e qualquer alógeno é derrota garantida. Aliás, basta ver que as eleições em que o PNR mais cresceu, que foram as últimas legislativas, a bandeira principal foi a "crise dos refugiados", não foi a expulsão dos iminvasores que já entraram, que tinha sido a bandeira até então.

Em suma, o apelo à travagem da imigração conquista votos. O apelo à expulsão de todos os imigrantes não conquista votos ou, pelo menos, não conquista tantos. Posto isto, o político inteligente e com visão de longo prazo só pode escolher a segunda opção.

Afonso de Portugal disse...

Eeerr... a primeira opção, evidentemente.