quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Bergoglio diz que Donald Trump "não é cristão" por "querer construir muros". Trump responde à letra.


Bergoglio ataca:

«O Papa Francisco diz que Donald Trump "não é cristão", apesar de o candidato às presidenciais americanas se assumir como tal. 

(...) Trump assume-se como cristão, mas o Papa duvida: “Uma pessoa que só pensa em fazer muros, seja onde for, em vez de fazer pontes, não é cristão. Isso não é do Evangelho.” »

 
 Muros!? Nãããoooo, fazer muros não é ser cristão! Um cristão faz pontes, pá!!!

«O Papa foi também inquirido sobre se os americanos devem ou não votar no candidato. “Sobre votar ou não votar, não interfiro; digo apenas que este homem não é cristão. Se é que ele disse isto assim; é preciso apurar se ele disse mesmo assim. Por isso, dou-lhe o benefício da dúvida.”

No dia em que anunciou a sua candidatura, Trump não só prometeu construir esse muro, para evitar a imigração ilegal, como insistiu que fará com que seja o México a financiá-lo. 

Noutras declarações feitas entretanto, Trump voltou a referir o muro embora tenha dito que esse muro terá também “uma grande e bonita porta”, através da qual poderá entrar gente, de forma controlada e legal.»


...e Trump responde:

«Francisco vai "desejar e rezar" que eu seja Presidente dos Estados Unidos se o Vaticano for atacado pelos terroristas do autoproclamado Estado Islâmico.


Se e quando o Estado Islâmico atacar o Vaticano, que é o principal troféu do Estado Islâmico, toda a gente sabe, posso prometer que o Papa só poderá desejar e rezar que Donald Trump fosse o Presidente”, declarou o candidato à nomeação pelo Partido Republicano, num discurso na Carolina do Sul.  

(...) Os mexicanos devem ficar envergonhados por utilizaram o Papa como um “peão” dos seus interesses em relação aos Estados Unidos, acusa Donald Trump

...Não preciso de dizer mais nada, pois não?

10 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Esse Papa é um lunático perigoso e claramente ao serviço da Nova Ordem Mundial:

https://www.youtube.com/watch?v=TXZv9DDCBYw

Afonso de Portugal disse...

Sim, é verdade. Basta ver que só tem louvores para os políticos de esquerda e reprimendas para os políticos de direita. "Um papa do povo", como alguém disse.

Já conhecia o vídeo e até o publiquei aqui no TU, mas obrigado!

Renato Santon disse...

O papa Francisco é algo sem classificação. Altamente ligado a movimentos comunistas da américa do sul, foi escolhido a dedo para sua missão.

Está interferindo em política diretamente, agora faltando poucos dias para uma eleição das prévias republicanas ele faz um ataque direto aos conservadores cristãos, ataque feroz e covarde a Trump.

Dia 16 se encontrou com o patriarca Kiril, ortodoxo, em... Cuba. Alto que o patriarca é um ex-KGB da antiga URSS.

Um dia antes uma lei de adoção pró-gay passou no senado italiano, único país que impedia essa medida na europa.
A lei não era aprovada antes devido ao apoio que a direita conservadora recebia do clero, mas desta última vez o papa Francisco mudou os rumos e fez militância pró-gay ativa.

A igreja acabou, hoje ela trocou toda sua dogmática pelo politicamente correto progressista e o culto aos tais "direitos humanos". Em verdade é uma instituição marxista.

Afonso de Portugal disse...

«A igreja acabou, hoje ela trocou toda sua dogmática pelo politicamente correto progressista e o culto aos tais "direitos humanos".»

É verdade! Mas a culpa não é só do Bergoglio e dos padres e bispos corruptos. Os fiéis católicos foram tolerando em silêncio as "modernices" da sua Igreja durante as últimas décadas, sem protestos nem discordâncias.

O caso mais flgarante para mim são os peditórios e as associações de "caridade", em particular a Cáritas. A ideia de haver organizações de caridade sob tutela da IC não seria má em princípio... não fosse o facto de se terem especializado em auxiliar alógenos do terceiro-mundo. Em Portugal, por exemplo, há milhares de iminvasores que beneficiam directamente das ajudas de organizações ligadas à IC, organizações que muitas vezes negam a mesma ajuda a portugueses nativos!

O problema é que entre os europeus a crença desvanece... enquanto que entre os terceiro-mundistas a religião está tão forte como há dez séculos atrás.

Anónimo disse...

A Igreja não acabou. Está tomada por hereges, de momento. Mas a Igreja sobreviverá. Para quem não é católico isso pode parecer pouco racional, mas não interessa. Até porque há muitos não-católicos que, por mais que se lhes explique, continuam sem querer perceber e continuam a atacar tudo o que é católico. Nesse aspecto não há diferença entre o esquerdalho e os pagãos e ateus, em geral, Qualquer pessoa intelectualmente honesta reconhece o contributo da Cristandade para a Europa e o Ocidente, mas agora é moda os ataques e a mentira histórica, sobretudo da parte dos pagãos. Não deixa de ser curiosa, a obsessão com a Igreja. Sr. Hamsun.

Anónimo disse...

Entre outras( e muitíssimo acertadas que aqui vejo) está de facto a "ajuda" e à força toda que alguns portugueses, a pensarem que fazem "bem" andam a dar a estrangeiros que ninguém sequer imagina quem são realmente. E a Igreja Católica, e não só a ajudar... Meu Deus( caso é mesmo para dizer:) e os de cá que na "crise" ficaram sem tecto, e sem trabalho NADA se faz por estes... E a Igreja cala e segue, e não está só... "Sós" estão esses que dormem no metro e debaixo da ponte após décadas de contribuições... Assim como os que combateram no Ultramar...!!! Esquece!!! Esquece que já não foi a primeira vez que a "Pátria" cuspiu e esqueceu os que lhe deram o melhor que tinha: os seus melhores anos, e até a Vida!!
Como costumo dizer: vamos longe!!

Afonso de Portugal disse...

Sr. Hamsun disse...
«Nesse aspecto não há diferença entre o esquerdalho e os pagãos e ateus, em geral»

O problema de algumas pessoas é não conseguirem distinguir a liderança da IC dos seus seguidores. Sobretudo porque é precisamente entre os seguidores da IC que há maior potencial para adesão ao Nacionalismo, não é entre os adeptos do esquerdalho.

Eu julgo que a dicotomia Nacionalismo/Cristianismo não é uma inevitabilidade e não deve ser vista em termos absolutos. Eu próprio já caí nessa armadilha, como o Sr. Hamsun bem sabe, mas depois percebi que a maioria dos cristãos tende naturalmente para o Nacionalismo, não obstante as directivas e os ditâmes da hierarquia eclesiástica. É por isso que eu agora centro as minhas críticas sobre as declarações dos membros do clero e não sobre a doutrina epistemológica da Igreja.

Por outro lado, a atitude de alguns padres e bispos tende a provocar uma indignação muito forte entre aqueles que já aderiram ao Nacionalismo e os adversários do Cristianismo tendem a aproveitar-se disso. É nesse sentido que eu digo aos cristãos que evitem responder na mesma moeda aos críticos e, ao invés do insulto gratuito, optem por comentários históricos em que sejam enunciados factos concretos. O Sr. Hamsun, por exemplo, conseguiu convencer-me dessa forma.

Entre os Nacionalistas, já temos divisões quanto baste devido à questão do sionismo. Não podermos dar-nos ao luxo de ter outras tantas à custa do Cristianismo.

A propósito, Sr. Hamsun, aqui há uns tempos descobri um comentário seu na caixa de spam do TU. Peço-lhe que no futuro diga qualquer coisa sempre que um dos seus comentários não for publicado. São os leitores que dão sentido ao TU e a última coisa que eu quero é que os bons leitores sejam excluídos por falhas do blogger.

Afonso de Portugal disse...

Anónimo de 20 de fevereiro de 2016 às 15:27, peço-lhe o favor de assinar os seus comentários no futuro. Dexei passar o seu excepcionalmente, porque o seu conteúdo era bom. No emtanto, 90% das vezes não publico comentários puramente anónimos.


«"Sós" estão esses que dormem no metro e debaixo da ponte após décadas de contribuições... Assim como os que combateram no Ultramar...»

É essa grande contradição que deita por terra a ideia de que a Igreja está a proceder bem. Primeiro estão os nossos. Mas não é assim que pensa grande parte das pessoas ligadas à IC. Na cabeça dessas pessoas, primeiro estão aqueles que têm mais potencial de virem a ser cordeirinhos obedientes, independentemente da sua origem e cultura. E isso é ser, objectivamente, inimigo da Nação.

Anónimo disse...

EM relação a esse comentário não sei o que foi, até me lembrei que tivesse sido eu a clicar mal ou coisa assim, quando enviei o comentário. Em relação ao resto é o que eu digo: há uma hostilidade, por vezes, não faz sentido. Em termos de blogues destaca-se o do sr. Caturo e, agora, o Historia Maximus. Eu posso discordar das pessoas, mas quando se começa a falar, como o Caturo e o HM, em "culto do judeu morto", isso é insulto gratuito e não ajuda muito à discussão. sr. Hamsun.

Afonso de Portugal disse...

Sr. Hamsun disse..-
«Eu posso discordar das pessoas, mas quando se começa a falar, como o Caturo e o HM, em "culto do judeu morto", , isso é insulto gratuito e não ajuda muito à discussão. »

É verdade. E aqui eu tenho de fazer mea culpa, porque eu próprio já empreguei essa expressão algumas vezes. Se somos aliados -e eu acredito convictamente que somos aliados, uma vez que temos como objectivo último a preservação de Portugal e da Europa- então temos de forçosamente de manter as discordâncias dentro dos limites do civismo.

Mas pela minha parte apenas posso prometer não usar essa expressão ou outra do género novamente. Não posso decidir pelo Caturo e pelo Prof. Nobre. Quando muito, posso recomendar. Mas tenho que frisar: é essencial que os cristãos, os pagãos e os ateus nacionalistas não voltem totalmente as costas uns aos outros. Somos demasiado poucos para nos podermos dar ao luxo disso. Continuemos a dialogar abertamente, estou convencido que a mensagem vai acabar por passar.

Saudações!