segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Analogias sobre a iminvasão...




E agora para aqueles que eventualmente não tenham percebido...



Ah, mas não sejamos "racistas", pá! Isso dos muros e das fronteiras fechadas não funciona!...


Resumindo e concluindo:

6 comentários:

Renato Santon disse...

Algo tem que ser mais e mais alertado sobre refugiados, sobre tudo a essas mulheres de boa intenção, mas nenhum juízo:

1- 99% dos "imigrantes", ou invasores, não são sírios refugiados da guerra. São aproveitadores que usam essa maré humana a seu favor e buscam entrar nos melhores países europeus para usufruir da seguridade social;

2- 99% dos "refugiados" são homens, jovens de 20 a 40 anos. Nas fotos se vê uma legião de marmanjos bem alimentados e novos. Não deveriam estar depauperados pela guerra ? E onde estão os refugiados velhos, crianças e mulheres ? Ah, será que esse jovens são fugitivos de guerra que abandonaram suas famílias a sua própria sorte ? Ou será que são apenas marginais?

3- Boa parte desse "migrantes" tem experiência de guerra e muitos, mas realmente muitos são integrantes do Estado Islâmico.
Se esses veteranos de guerra, estupradores e canibais, resistiram a anos de guerra na África e Síria, imaginem o que não farão nos países civilizados, nos quais a polícia pede por favor.

4- 100% dos migrantes são jovens solteiros cheios de amor para dar. Isso além de desequilibrar a pirâmide demográfica do país, é um prato cheio para aumentar infinitamente o número de estupros nos países ocidentais.
Porque para o muçulmano sunita radical a mulher ocidental é apenas uma vadia suja, e estuprar uma mulher dessas e a surrar é parte de seu dever de bom muçulmano, "temos que dar uma lição nessas vagabundas".

Não a toa na Suécia bandos de negros muçulmanos somalis e nigerianos após estuprarem em grupo suas vítimas, muitas vezes fazem a estirpação do clitóris da mulher, "fazendo justiça e dando o que elas merecem". Procurem as notícias, sim é tudo verdade; mas os média escondem tudo isso.

Tudo isso é verdade amigos, não é o futuro ou uma ilusão. Aconteceu em Koln, Copenhagen, até mesmo em Berlim.
É a desmoralização do homem ocidental, um fresco, a mercê do "super-másculo muçulmano"; o perigo total para nossas mulheres, ao dispor de um exército de párias, jovens e que não vêem uma mulher faz tempo. O óbvio juntando a necessidade aflorada com a ideologia anti-ocidente é uma futura onda de estupros nunca vista antes no ocidente.

E vocês ainda se discutem se é "polido" ou "deselegante" construir um muro...

Afonso de Portugal disse...

Muito bom, caro Renato. É isso tudo, sem tirar nem pôr!

Uma das grandes dificuldades que eu tenho tido no meio Nacionalista é precisamente conseguir transmitir a realidade da desvirilização do homem ocidental. Há muitas pessoas no nosso meio que não compreendem a preferência de algumas nossas mulheres pelos negros e pelos muçulmanos, quando ela é perfeitamente natural, dadas as circunstâncias.

É tão simples quanto isto: apesar dos milhões de anos de evolução, a sexualidade dos seres humanos ainda não é substancialmente diferente da sexualidade dos primatas. As mulheres ocidentais continuam a preferir essencialmente os mesmos homens que preferiam nos tempos das cavernas, o homem caçador-recolector, que corresponde precisamente ao tipo de homem que os "refugiadistas" representam: forte, másculo, que não se submete, que sabe bem aquilo que quer e que persegue os seus sonhos com persistência e agressividade. Contrariamente ao que dizem alguns "peritos" e as feministas, a inteligência nunca impactou significativamente na reprodução humana, havendo até estudos que demonstram não haver correlação entre ser inteligente e ter parceiros sexuais.


É por isso particularmente dramático para o Ocidente que os europeus e até alguns americanos estejam cada vez mais desligados da sua masculinidade, mais efeminados. Conforme escreveu o Sr. Hamsun há uns tempos atrás:

«Desde há décadas temos vindo a assistir a uma progressiva alteração da percepção da masculinidade – se é que tal coisa ainda existe. O homem europeu e ocidental tem vindo a tornar-se cada vez mais efeminado. Paralelamente a isso, surge a vergonha da sua virilidade. Da transformação resulta uma coisa híbrida, incapaz de se definir, por entre perfumes, cremes e depilações. Possuidor de uma sexualidade duvidosa.

(...) Ora, perante uma cada vez mais reduzida oferta europeia a solução encontrada é óbvia e passa por um de entre os milhões de alienígenas introduzidos no continente pelas políticas pró-imigracionistas.»

http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt/2015/09/maravilhas-do-islao-xviii-jovem.html

Missy disse...

Acrescentando mais um caso de paz e amor em que vivem esses povos:

http://www.nytimes.com/2008/04/19/theater/19peac.html

(resumo da história: http://imgur.com/2lov7th - foi a boleia pelo Medio Oriente, para provar que são todos povos pacíficos, e acabou violada e morta).

é antigo, aconteceu em 2008, mas é relevante.

Afonso de Portugal disse...

Muito obrigado, cara Missy! Confesso que não conhecia essa história... é pena que não aconteça mesmo a todos os hippies desse género que insistem em arranjar-nos porblemas a todos com as suas romancices e utopias!

Vou ver se aproveito esses links para fazer um postal mais tarde.

Bilder disse...

Post a não perder http://omarxismocultural.blogspot.pt/2014/12/feminismo-preparou-caminho-para-islao-1.html

Afonso de Portugal disse...

Já tinha visto, obrigado. Esse blogue é muito bom e já o tenho na minha coluna "blogosfera relevante" desde o ínicio deste blogue (TU). Só é pena não ser actualizado mais vezes.

Um dos grandes problemas da Direita contemporânea é não ter compreendido o fenómeno do marxismo cultural em toda a sua dimensão. Apenas algumas pessoas o reconhecem e mesmo essas pessoas têm sido muito pouco eficientes na sua descontrução. Esse blogueiro Lucas é uma lufada de ar fresco nesse sentido. Infelizmente, ele não é um nacionalista, é apenas um neo-conservador sem qualquer interesse pelas questões raciais.