sábado, 23 de janeiro de 2016

Mais enriquecimento proporcionado pelos suspeitos do costume...


Em Berlim (Alemanha), vários motoristas de autocarros têm sido enriquecidos por imigrantes. Este aqui tinha uma câmara no habitáculo e filmou a sua beneficiação:




Já na Suécia, uma senhora racista e xenófoba teve a infeliz idea de denunciar um imigrante que tentava assaltar... eer... perdão, engrandecer outro transeunte. O que vale é que alógeno colocou-a no seu devido lugar! E os filhos menores da senhora racista e xenófoba assistiram a tudo e puderam beneficiar da experiência:




De volta à Alemanha, a estação de televisão pública divulgou um guia para ajudar os "refugiados" a integrar-se melhor na sociedade. O guia daria vontade de rir, não fosse o facto de ser tão tragicamente sintomático...

9 comentários:

mensagensnanett disse...

O governo da Suécia decidiu trocar a sua intenção de reconhecer a independência do Sahara Ocidental pela abertura de uma loja do Ikea em Casablanca, que o governo de Marrocos estava a dificultar, mantendo o negócio como refém.
[ http://mundocaohoje.blogspot.pt/2016/01/a-vida-humana-e-mau-negocio.html ]
.
-» Não há tempo a perder com a bandalheira ética dos nazis-económicos, há é que reivindicar o LEGÍTIMO Pelo Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones:
-»»» http://separatismo--50--50.blogspot.com/
.
Os Nazis-Económicos (nazis-made-in-USA) terraplanam Identidades atrás de Identidades Autóctones de forma insaciável...
-» Quando se fala no (legítimo) Direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones {nota: Inclusive as de 'baixo rendimento demográfico'... Inclusive as economicamente pouco rentáveis...} nazis-made-in-USA - desde há séculos com a bênção de responsáveis da Igreja Católica - proclamam logo: «a sobrevivência de Identidades Autóctones provoca danos à economia...»

Afonso de Portugal disse...

mensagensnanett disse...
«O governo da Suécia decidiu trocar a sua intenção de reconhecer a independência do Sahara Ocidental pela abertura de uma loja do Ikea em Casablanca, que o governo de Marrocos estava a dificultar, mantendo o negócio como refém.»

Mais uma entre milhões de provas de que o dinheiro é realmente aquilo que mais ordena neste mundo. Sabes mensagensnanett, cada vez me convenço mais que o dinheiro que acumulamos é de facto a pontuação que obtemos no jogo da vida. A ser verdade -e tudo neste mundo indica que é- isso significa que as nossas hipóteses de mudarmos o que quer que seja são extremamente baixas, porque não temos capital para fazer face aos donos do dinheiro, a superclasse da alta finança mundial.

Talvez eu esteja a ficar cínico, não sei... mas estou a convencer-me gradualmente que tudo isto do nacionalismo e da sobrevivência é inútil. No final, o dinheiro vence sempre.

Anónimo disse...

Quero te colocar uma questão fora do contexto do blog: que achas do Slimani, muito sinceramente e colocando ênfase apenas na parte desportiva, isto é, como o avalias como ponta de lança? Sim, sabes que é muçulmano e tem aquele gesto da reza depois do golo que desprezas, mas esquecendo essa parte, imagina que ele é um jogador da bracura de um Lewandowski ou de um Rooney. Agradecia a tua sincera resposta.

G, o cigano

FireHead disse...

Não entendi o que é que o outro escreveu: os EUA são um país protestante, de origem maçónica, e têm uns nazis-económicos que foram abençoados por responsáveis da Igreja Católica? Pronto, já me ri.

Afonso de Portugal disse...

G o cigano disse...
«que achas do Slimani, muito sinceramente e colocando ênfase apenas na parte desportiva, isto é, como o avalias como ponta de lança?»

Faço minhas as palavras do Jesus da Amadora:

http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2016/01/21/jorge-jesus-slimani-e-um-jogador-cheio-de-defeitos-tecnicos-e-taticos

«É um jogador cheio de defeitos técnicos e táticos. Agora, ele tem aquilo que Deus lhe deu, que é uma capacidade física enorme. É um jogador muito forte no jogo aéreo, tanto a atacar como a defender, e ainda falta muita coisa para poder chegar ao produto final da valorização que pode ter como jogador, individualmente. É isso que temos feito, muito trabalho individual para ele poder crescer"»

Afonso de Portugal disse...

FireHead disse...
«Não entendi o que é que o outro escreveu

Eheheh... tens de aprender a língua dele! Eu como já leio o que ele escreve há uns anos, consegui perceber isto:

O mensagensnanett (conhecido na blogosfera nacionalista também como "pvnam" e "menvp") defende que existe uma superclasse mundialista (a quem chama "nazis-made-in-USA") que incentiva a miscigenização para alcançar a supremacia global e o lucro económico associado. A Igreja Católica apoia esses "Nazis Económicos" porque também beneficia com a diluição das identidades.

O mensagensnanett propõe por isso o separatismo 50-50 (50% do território para os autóctones, 50% do território para os alógenos) como solução para garantir os direitos de sobrevivência da população autóctone.

Infelizmente, ele nunca chegou a concretizar como é que seria possível implementar essa solução...

Anónimo disse...

http://observador.pt/2015/03/10/ministro-grego-se-a-europa-nao-ceder-sera-inundada-por-gregos-e-jihadistas/

Será que toda esta crise está relacionada e foi promovida pelo partido nacionalista grego, claro que com a ajuda do Syriza?

G, o cigano

mensagensnanett disse...

Obrigado pelo comentário Afonso de Portugal.
.
.
"Infelizmente, ele nunca chegou a concretizar como é que seria possível implementar essa solução..."

Quando for reconhecido o LEGÍTIMO Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones tal já é um óptimo começo.

Afonso de Portugal disse...

G, o cigano disse...
«Será que toda esta crise está relacionada e foi promovida pelo partido nacionalista grego, claro que com a ajuda do Syriza?»

A hipótese parece-me francamente remota porque apesar de a Grécia ser a principal porta de entrada dos "refugiados", já entraram outros tantos pela Itália. Isto está a ser ordenado a partir de cima. O judeu húngaro George Soros deu a entender, numa entrevista recente, que é a própria Alemanha que está a forçar a coisa:

http://www.nybooks.com/articles/2016/02/11/europe-verge-collapse-interview/

O pretexto é a manutenção de uma fonte de mão-de-obra "competitiva" (eufemismo para barata) e para fazer face à crise demográfica alemã. Aliás, essa tese também é defendida pela "direitinha" cá do burgo, que acha que bastará importar terceiro-mundistas para termos uma espécie de milagre económico:

http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt/2015/09/sobre-forma-de-pensar-da-direitinha.html