sábado, 8 de novembro de 2014

Marxismo Cultural para Totós (3): a Insanidade Feminista


Não sei se os meus leitores se aperceberam mas, durante a semana passada, houve um vídeo que correu o mundo, tendo até direito a destaque nos mé(r)dia cá do burgo, nomeadamente no pasquim afecto à esquerda universalista Al-Público. Uma actriz foi filmada durante dez horas enquanto percorria as ruas de Nova Iorque. À sua frente, seguia um colaborador com uma câmara escondida na sua mochila. O vídeo, feito por uma organização feminista, pretendia demonstrar que as mulheres são constantemente vítimas de assédio sexual quando andam na rua. E isto -concluem os responsáveis da organização- tem de parar!!!...

Se ainda não viram o vídeo em causa, aqui está ele. Dêem uma olhadela e já voltamos a falar.



Evidentemente, há alguns comentários e atitudes inaceitáveis no vídeo, como aquele imbecil que caminha com a jovem lado a lado durante 5 minutos, ou os vários parolos que exclamam "Damn!" ou "Hi, beautiful!" quando passam por ela.

Mas há várias outras intervenções que são perfeitamente inócuas e até salutares. Não me venham cá com tretas, porque dizer "Olá", por exemplo, ou simplesmente "Tem um bom dia" não constitui assédio sexual de forma alguma. A não ser, é claro, nas cabeças-de-vento completamente deformadas pela doutrinação feminista que acham que qualquer interacção com uma mulher é assédio desde que não seja a própria mulher a encetá-la.

Claro que se pode sempre discutir que a jovem não olhou sequer para ninguém e que, portanto, nenhuma interacção seria bem-vinda. Mas há um problema com esta linha de argumentação: se eu for na rua e vir uma mulher que gostava de conhecer e se, ao mesmo tempo, achar que ela não me viu, de que outra forma poderei proceder para me dar a conhecer além de dizer "Olá"?

Ou será que já chegámos ao ponto em que os homens só podem abordar as mulheres se elas lhes sorrirem e olharem para eles directamente primeiro? Há mulheres tão tímidas que nunca olham para os homens directamente e há homens tão feios que nunca poderão esperar que uma mulher olhe para eles a não ser que compensem a sua fealdade com as suas personalidade e iniciativa! Será que as feministas não percebem isto? Duvido, duvido muito.

Ora, o comentador conservador Steven Crowder também duvida e desmonta o vídeo acima num instante, com este pequeno mas brilhante exercício que ele fez utilizando uma câmara oculta:



O que o Steven não diz, embora eu acredite que ele saiba, é o porquê de toda esta susceptibilidade feminista. Não se trata de proteger as mulheres, pelo menos a maioria delas, porque as mulheres em regra geral não são feitas de vidro e não ficam ressentidas ou receosas só por lhes dizerem "Olá". Não, nada disso, o que está realmente aqui em causa é inculcar complexos nos homens, torná-los receosos de abordar o sexo (e não género) oposto. No fundo, castrá-los e reduzi-los a eunucos efeminados que não conseguem sequer olhar para uma mulher de frente sem borrarem as calças.

Perguntarão agora os meus leitores: "Ò Afonso, mas o que é que isto tudo tem a ver com Nacionalismo?". É simples, meus caros, basta lembrarmo-nos do verdadeiro objectivo do feminismo contemporâneo, que é tão-somente um braço do Marxismo Cultural: virar as mulheres contra os homens e vice-versa, para assim aumentar os fenómenos de misoginia e de misandria, potenciar a promiscuidade, os divórcios e a redução da natalidade. E pior do que isso, fomentar a miscigenação, pois conforme observou em tempos o conhecido blogueiro Fjordman: "as suecas dizem que os homens suecos são os melhores amigos... e os homens muçulmanos os melhores amantes!" Não é por acaso que há quem diga que "a Suécia é a Arábia Saudita do feminismo"...

Não perceberam? É simples: homens ocidentais feminizados = eunucos receosos e politicamente correctos; homens de outras paragens onde o feminismo não tem influência expressiva = homens assertivos e cientes do seu papel masculino; Agora adivinhem quem é que as mulheres, indígenas ou não, realmente preferem.
______________
Ver também:
 
«A Narrativa» - Marxismo Cultural para Totós
Marxismo Cultural para Totós (2): um exemplo
AMTV: autópsia a Michael Brown aniquila a narrativa do "racismo policial"
Secretas vigiam regresso de jihadistas a Portugal (atenção ao que se diz sobre as "tugas" muçulmanas)
Uma em cada quatro mulheres suecas será violada
Orwellianismo total na Suécia!
De viquingues a maricões: a desgraça dos homens suecos continua

Sem comentários: